04/09/2017 17:01:00

SEM TABU
Rotaract debate a depressão e o suicídio. 100 cartazes foram colados pela cidade
Setembro Amarelo terá várias atividades chamando a atenção para essa temática


Cartazes tomam conta de vários pontos da cidade desde o último sábado (Foto: Divulgação)


Da Redação, com André Justus

Guarapuava - Dois depoimentos postados na página no Facebook do Rotaract Clube de Guarapuava são vitrine para um tema que ainda é considerado tabu na sociedade brasileira. O suicídio, entretanto, passou a pautar o mês de setembro no clube de serviço, dando vazão à cor amarela. A campanha está lançada e seguirá pelos próximos dias com intervenções também nas instituições de ensino superior.

“Eu evitava qualquer tipo de contato com pessoas e ficava extremamente irritada quando recebia visitas. Recusava comidas, até mesmo pizza, e tomar banho acabou se tornando uma tortura. Minha vontade era ficar deitada o dia todo. Gostava também de olhar para algum lugar fixo do meu quarto e não pensar em nada. Não podia evitar: a depressão havia invadido meu corpo e estava sugando minha mente devagar, num processo doloroso. A tristeza virou rotina. Sentia-me tão vulnerável. Havia uma corda escondida dentro do meu guarda-roupa, a qual me fazia acreditar que serviria como “garantia” para os momentos explosivos.” (Amanda, 21 anos)

“Então a vida vai seguindo seu curso normal e você parece estar sentando do banco do carona. É, isso mesmo, sua vida é agora guiada pela depressão. Mas para admitir isto não é fácil, principalmente porque ela faz questão de dirigir através de seus erros e medos, dando destaque a cada um deles. Admitir a depressão é admitir que você não comanda mais sua vida. E, logo eu, que não tenho tempo para isso, eu trabalho, tenha família, casa, como assim? Depressão? Trabalho em média 10 horas, num emprego que exige concentração, agilidade. Fui a primeira pessoa que teve preconceito comigo mesma.” (Regina, 48 anos)

Assim como essas duas pessoas, vítimas de depressão, no Brasil, entre 1980 e 2012, segundo a pesquisa Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil, as taxas de suicídio cresceram 62,5% na população em geral, sendo que são 5,6 mortes a cada 100 mil jovens. E é para conter esses números que o Rotaract de Guarapuava está desenvolvendo várias ações que visam conscientizar a sociedade sobre esse tema.

De acordo com a diretora de Comunidade do Rotaract, Beatriz Matakas, o objetivo é a sensibilização da sociedade sobre o tema. “Sabemos que a maioria dos casos de depressão não são tratados como deveriam”. 

Assista o vídeo da ação realizada no último sábado (02). 100 cartazes com depoimentos reais de guarapuavanos foram colados nas duas principais ruas de Guarapuava, a Rua Xv de Novembro e a Rua Saldanha Marinho.

COMENTÁRIOS