15/02/2017 11:04:00

OPINIÃO
Qualquer semelhança...



A declaração do ministro Eliseu Padilha feita nesta terça (14) durante palestra na Caixa, não surpreendeu. Apenas confirmou. Ele só expôs publicamente o que já era de conhecimento nos bastidores: o governo escolhe o seu staff em troca da garantia do número de votos no Congresso. De acordo com Padilha, foi assim que aconteceu com o paranaense Ricardo Barros ao ser escolhido como Ministro da Saúde. O peso pesado foi a quantidade de votos que o PP, partido no qual é filiado, rende aos interesses do presidente Michel Temer no Congresso. “A Saúde é de vocês, mas gostaríamos de ter um notável”, contou ter dito ao PP. “Diz para o presidente que nosso notável é o deputado Ricardo Barros”, respondeu a sigla. “Vocês garantem todos os votos do partido nas votações?”. “Garantimos”. “Então o Ricardo será o notável.”

Segundo Padilha, o  objetivo era chegar aos 88% de apoio no Congresso. “Não há na história do Brasil um governo que tenha conseguido 88% do Congresso. Isso Vargas não teve, JK não teve, FHC não teve, Lula não teve, só nós que conseguimos”, disse Padilha. A revelação foi feita pelo jornal O Estado de São Paulo.

Como se vê, tudo gira em torno de negociações políticas. E quem não segue essa máxima, está fora do jogo. A prática é comum em qualquer lugar do país.

 

 

Sobre o Autor

Cristina Esteche é jornalista, publicitária e fundadora da Rede Sul de Notícias.