17/05/2017 14:21:00

MÚSICA
"Onde a estrutura educacional fracassou, o rap me ensinou"
Após 20 anos de pesquisas, NZumba lança videoclipe. E que videoclipe!


NZumba (Foto: Divulgação)


Cristina Esteche

Guarapuava - O vídeo surpreende pela produção que em nada perde para clipes nacionais. A performance do rapper NZumba também é demonstração de que Guarapuava possui, mas esconde talentos, pela invisibilidade cultural.

Quando você começa a ouvir a história do vigilante desempregado Fernando Siqueira, e recebe a informação de que tudo foi produzido de forma caseira e em Guarapuava, a surpresa é maior ainda.

NZumba pesquisa e canta rap há 20 anos, desde que veio de São Paulo para Guarapuava. “Sempre pesquisei as batidas e a internet me ajuda bastante porque fico sabendo o que acontece em São Paulo e no Rio de Janeiro”.

Apesar de todo esses anos de pesquisas e composições, apresentações públicas não são o foco do rapper. “Eu quis fazer um relato social do que acontece no dia a dia e deixar esse histórico para a cidade”.

Além desse registro, as letras de NZumba mostram a visão de um homem negro sobre a sociedade, em todas as vertentes. O deslocamento social num país onde o preconceito racial é velado também pauta a indignação do rapper.

“Sempre busquei autoconhecimento porque o negro não possui referências na sociedade brasileira em todos os segmentos. Sempre tivemos uma visão europeia de tudo, principalmente, na espiritualidade onde o cristianismo faz suas imposições”.

Sentindo-se um “estranho no ninho” na sociedade não negra, NZumba buscou o seu próprio caminho. “Vivo no meio de pessoas brancas, de heróis e de outras referências brancas, mas quando me olho no espelho eu sou negro. Até a nossa religião, aquela trazida por nossos ancestrais, foi demonizada. Mas hoje a minha espiritualidade está no Universo, na natureza, mas ainda me pergunto: quem sou eu, de onde vim, para onde vou”?

São justamente essas perguntas e indignações que inspiraram a música que é o carro-chefe do primeiro CD gravado em 2016. “$alomão e $eu Reinado” (que você assiste abaixo) vem seguida por “Tudo Bem Comigo” e “Preto problema”.

O CD foi gravado num estúdio caseiro, produzido pelo Curse Records, estúdio que existia em Guarapuava e que era próprio para gravações de death metal. “O meu CD foi o único trabalho de rap feito nesse estúdio”. O apoio financeiro foi do amigo Francisco Gazzoni.

O trabalho só foi lançado na Internet, mas a intenção é que grandes produtoras se interessem. “Quero que me enxerguem, porque faço aqui, sem muitos recursos, o que outros fazem com muitos recursos nos grandes centros”.

NZumba diz também que o seu caminho é esse. “Onde a estrutura educacional fracassou, o rap foi quem me ensinou a ter um pensamento crítico, me acordou na matrix”.

 

 

COMENTÁRIOS