Como posso planejar minha aposentadoria?

Como posso planejar minha aposentadoria?

Neste post você vai descobrir:
1. O que é?
2. Quando fazer?
3. Evitando erros
4. Vantagens
5. Como é feito?
6. Quem faz?
A cultura do Brasileiro é contribuir para a Previdência Social a vida toda sem ter a mínima ideia de quanto vai ganhar de aposentadoria, e isso não parece fazer muito sentido.
Você investiria o seu dinheiro em um fundo imobiliário se não soubesse quanto ele te traria de retorno? E por qual motivo você investe na Previdência Social sem saber quanto ela vai
te retornar depois de X anos trabalhados? É por isso que eu vou te explicar porque você precisa pensar nisso com cuidado e preparar
o seu futuro.

1. O que é?
ORGANIZAÇÃO e PREPARAÇÃO são as palavras chaves do planejamento.
Nós sabemos que quando queremos algo bem feito precisamos planejar, certo? E com aaposentadoria não é diferente, principalmente porque não depende só de nós, o INSS é um
elemento fundamental, e por isso fazer a nossa parte organizando e preparando tudo antes
é tão importante.
Quanto antes e melhor você planejar mais fácil ficará conseguir a MELHOR aposentadoria. Para você conseguir uma aposentadoria ou algum benefício é necessário completar uma
série de requisitos, fazer um planejamento garante que vai preencher os requisitos certos, nem a mais nem a menos, no momento certo, evitando perder tempo e dinheiro.
Você sabia que contribuir a vida inteira sobre o teto não vai fazer você se aposentar com o teto? Parece absurdo dizer isso não é? Mas é verdade.
O valor contribuído, de forma isolada, não faz você se aposentar com o teto do INSS, porque existem outras variáveis (requisitos) que vão influenciar no cálculo.
O planejamento previdenciário é um estudo em forma de parecer jurídico, acompanhado de cálculos e projeções sobre quando você vai se aposentar, quanto será a sua
aposentadoria, e o que você deve fazer até lá para garantir o MELHOR BENEFÍCIO.

2. Quando fazer?
Bom, você pode planejar isso quando quiser, e quanto antes melhor, mas se eu puder recomendar uma idade te diria para começar a pensar nisso a partir dos 35 anos.
Além de ter segurança sobre o seu futuro, quando chegar a hora de fazer o pedido de aposentadoria você terá muito mais tranquilidade porque saberá que tudo foi previamente
organizado e pensado para que você tenha seu pedido aprovado.
É importante eu te dizer que o planejamento vai ser feito com base nas regras atuais, então se houverem mudanças na lei, é necessário reconsultar seu advogado para saber se algo
alterou tudo aquilo que vocês planejaram.

3. EVITANDO ERROS

Você sabia que no ano passado (2019), o INSS negou mais da metade dos pedidos? Até o mês de setembro eles negaram 55,8% dos pedidos, isso é uma porcentagem muito
alta de indeferimento, e diante deste cenário programar a sua aposentadoria é essencial.
Com a organização dos documentos e um estudo detalhado antes de ir até o INSS você

EVITA DIVERSOS ERROS, eu vou te elencar alguns:
1. Deixar períodos rurais sem a devida averbação;
2. Não considerar tempo em atividade especial por falta de documentação;
3. Evitar erros no seu registro perante o INSS (CNIS – Cadastro Nacional de
Informações Sociais);
4. Evitar erro no cálculo da sua aposentadoria;
5. Desconsiderar período de benefício por incapacidade (ex: auxílio-doença);
6. Não reconhecer como tempo de contribuição períodos trabalhados sem registro em
Carteira;
7. Aceitar qualquer benefício, quando você tem direito a algo melhor.
Eu não esgotei a lista de erros que podem ser evitados, mas esses são os mais comuns, e
saiba que apenas um deles, podem fazer seu pedido de aposentadoria “ir pelo ralo”.

4. VANTAGENS

Além de evitar erros no pedido o planejamento da aposentadoria trás algumas vantagens:
1. Contribuir com o valor correto É possível fazer cálculos e projeções/estimativas para saber com quanto você precisa
contribuir para se aposentar com determinado valor.
Em contrapartida, se você não fizer isso, pode acabar contribuindo com mais do que é possível para se aposentar bem.
Para você ter uma ideia, com a reforma da previdência o cálculo das aposentadorias e benefícios mudou significativamente, pedir um benefício sem calcular antes pode trazer
algum prejuízo financeiro, e isso ninguém quer, não é mesmo?

2. Evitar trabalhar mais que o necessário
Já pensou contribuir para o INSS atoa? É literalmente jogar dinheiro no lixo, porque se isso não vai alterar o valor da sua aposentadoria você poderia estar investindo o seu dinheiro
em outra coisa.
Não pense que a contribuição social (o valor que a empresa ou você paga para o INSS) é um dinheiro que não faz parte do seu salário, pois além dele ser seu, está sendo investido
para você.

3. Evitar se aposentar antes com um benefício ruim
Eu sei que a aposentadoria é um momento esperado por todos, mas aqui a máxima “quanto antes melhor” pode te causar sérios prejuízos.
Já pensou você pedir sua aposentadoria um mês antes de completar o requisito para uma regra muito melhor? Eu vi casos assim e vou te exemplificar o que pode acontecer.
Um exemplo: dentre as várias regras que temos para as aposentadorias, existe uma que veio em 2015, é a regra dos pontos (ela sofreu algumas alterações com a reforma da
previdência, mas isso é assunto para outro dia).
A pessoa fez o requerimento da aposentadoria, foi concedida e ela sacou o benefício. Tempo depois questionou o porque do valor tão baixo, e a resposta é que sobre a
aposentadoria dela incidia o fator previdenciário (eu já falei dele aqui  antes –

Toda fez que o fator previdenciário for menor que 1, o valor da aposentadoria reduz, e nesse caso ele era algo próximo de 0,66…
O que eu identifiquei quando fui analisar uma possibilidade de revisão foi que, se tivesse esperado 1 mês a mais para pedir, teria completado a regra dos pontos, que afastaria a
aplicação do fator previdenciário e faria o benefício quase dobrar de valor.
Entretanto, uma vez que você aceita aquele benefício que o INSS te deu, não tem como voltar atrás, mesmo que você continue trabalhando.
O STF (Supremo Tribunal Federal) já disse que a pessoa não pode se DESAPOSENTAR para conseguir outra aposentadoria, mesmo que ela tenha continuado pagando o INSS
depois de aposentado, não adianta!

4. A SEGURANÇA DO MELHOR BENEFÍCIO

Bom, sempre tivemos várias modalidades de aposentadoria (por tempo, idade, especial, rural) e a reforma da previdência nos trouxe pelo menos mais 8 regras de transição, o que
multiplica as opções de escolha.
O leque de possibilidades para se aposentar aumentou muito pós reforma da previdência. Quando você tem várias opções, o que você faz? Eu analiso e escolho a melhor delas, e provavelmente você também faz isso.
Não faria sentido escolher QUALQUER aposentadoria, se você pode planejar e escolher a MELHOR delas.

5. Como é feito o planejamento?
Para planejar algo precisamos levantar informações sobre o assunto, e com o planejamento não é diferente.
Na prática, precisamos:
1. Analisar o CNIS;
2. Identificar se existem erros nos registros de trabalho ou nas remunerações;
3. Contabilizar o tempo de contribuição, e para isso considerar:
– tempo rural
– tempo em atividade especial
4. Histórico de benefícios;
5. Modalidades de aposentadoria;
6. Regras de transição;
7. Simular o valor de cada modalidade;
8. Benefícios não programáveis (no caso de haver dependentes – cônjuge, filhos, etc);
9. Analisar o investimento feito.
Estas são algumas coisas que devem ser consideradas, mas cada situação é única, e a ideia do planejamento é justamente personalizar o estudo jurídico previdenciário para cada
caso.
Não existe planejamento genérico, então o que se aplica para uma pessoa não poderá ser aplicado para outra, pois cada uma tem sua particularidade.
6. Quem pode fazer o planejamento?
Procure um advogado da área previdenciária (aposentadorias e benefícios) e pergunte se ele faz o serviço de planejamento.
É necessário o conhecimento sobre a Reforma da Previdência porque agora o planejamento é feito considerando todas as regras de transição, e se você leu até aqui, muito provavelmente é porque se encaixará em alguma delas. Aqui no site da RSN tem um post específico sobre as regras de transição na aposentadoria por tempo de contribuição,
e outro só da aposentadoria por idade, confere lá.
Um bom planejamento começa com uma entrevista detalhada (prepare-se para responder muitas perguntas), seguido de uma análise minuciosa de documentos. Depois disso, o profissional vai te entregar um parecer jurídico indicando qual a melhor opção para você, acompanhado de diversos cálculos.
Eu espero ter conseguido te explicar o que é um PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO e a importância dele para o seu futuro.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Comentários