Em noite de ‘networking’, antes de tudo um palavrão: disrupção

Rodada de Negócios (Foto: RSN)

Apesar do cansaço do dia, aceitei o convite para uma Rodada de Negócios. Foi na noite dessa quarta (18), na Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (ACIG).

O programa reuniu 54 empresários, organizado pelo Núcleo Setorial da Mulher Empresária. Foi em comemoração aos seis anos do núcleo.

Porém, para minha surpresa, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Sandro Abdanur foi o palestrante da noite. Não pelo fato de ser ele e nem pelo tema proposto: inovação. Mas pela abordagem do tema.

Sandro surpreendeu já no início ao dizer que não falaria sobre a administração pública. Afinal, quando um secretário é chamado para se pronunciar pode apostar que lá vem ‘fala política’. Normal para o cargo que exerce.

Porém, a ‘vibe’ do Sandro foi outra. De uma forma sensacional ele nos desafiou a olhar a ‘inovação’ sob um outro ângulo. Aliás, sobre a essência da palavra. Sobre a forma de conjugar o verbo ‘inovar’. É preciso promover uma disrupção, ou seja, quebrar padrões, agir diferente, ser inovador, moderno, radicalizar, enfim. O termo pode paracer um palavrão. Porém, é um termo muito comum quando se fala em empreendedorimo.

Num mundo o empreender é o melhor negócio, entendo que o caminho está aberto para a conquista de resultados satisfatórios a partir da reinvenção. E ela tem que ser diária, constante. Me refiro à minha área, a comunicação na web. Porém, como abordou o Sandro, essa máxima vale para todas as áreas, todas as pessoas, todos os dias.

Afinal, você percebem como a nossa vida, em todos os sentidos, muda com uma velocidade extraordinária? Não está sendo comum chegarmos ao final do dia com o comentário: “nossa! O dia passou e eu nem vi”? E o que fazer para acompanhar essa roda viva insana? Ter flexibilidade, ter capacidade de se reinventar. De olhar além, de sair fora da casinha – mas sem perder o rumo. De fazer o simples se tornar inovador. Assim como o exemplo dado pelo Sandro sobre a Giraffas, uma das maiores redes de fast-food do Brasil. “O que esse empreendedor fez de diferente? Colocou feijão e arroz no cardápio. “Feijão e arroz”, frisou o secretário. “Ele inovou ao colocar essa combinação onde não tinha e está milionário”.

Dessa forma, outros ‘cases’ pautaram a conversa do Sandro. Ao final, a reflexão que ficou é que não podemos estacionar. Não podemos aceitar que esta ou aquela prática de gestão são as melhores. Elas nunca são. Sabe por que? Porque daqui 30 segundos, ou muito menos, já não somos os mesmos, porque não vivemos mais como nossos pais, como cantou Elis Regina. E como nós, assim são os nossos negócios, assim é o mundo.

Bom, quanto à Rodada de Negócios, as mulheres do Núcleo Setorial não poderiam comemorar o aniversário de outra forma: elas fizeram o que mais sabem fazer: empreender. E a você, Ezabel, que dedicou um tempo em meio à sua correria pra chegar no RSN e me convidar a participar, só tenho uma coisa a dizer: quem ganhou o presente fui eu. Aliás, fomos nós que participamos da roda vida dos negócios. Foi muito bom!

Quanto ao Sandrinho – me permito tratá-lo assim pela amizade de longos anos – ele me fez fazer um mergulho pra dentro de mim, pra dentro do Portal RSN. Me fez perceber que Inovação é realmente a marca do meu trabalho, da minha equipe, do Portal RSN que, aliás, nasceu como RedeSul de Notícias. Me fez ver que não devemos ter medo de ousar, de nos desafiar, de encontrar no simples o que há de ‘sofisticado’. Mas para isso, é preciso ver além do quintal que você vê da tua janela. Atingir além do horizonte. E como costumo dizer: de pegar uma simples sugestão de pauta corriqueira, extrair o ‘filé mignon’ e fazer dela uma grande reportagem. Ou ter uma ideia simples e transformá-la num grande negócio.

Ah! E o meu cansaço no início da noite? Foi embora quando ‘lavei a alma’.

*Tin-Tin! Um brinde a todas e a todos que tem essa coragem. Valeu Sandrinho. Valeu mulheres da ACIG! Gratidão.

 

Comentários