O que precisa ser mudado na política? O que posso fazer?

*Este conteúdo integra um espaço cedido pelo Portal RSN aos pré-candidatos de Guarapuava que concorrerão à cadeiras na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) e também na Câmara dos Deputados. O objetivo é que o público conheça suas posições pessoais sobre os mais variados assuntos. As opiniões emitidas pelos autores nas colunas independentes que serão publicadas aqui não refletem a opinião do portal. A incidência de publicações dependerá do envio dos textos por parte dos interessados. Os assuntos a serem publicados neste espaço são de escolha dos pré-candidatos.

Por Nelmo Cassiano Kitcki

Vivemos dias tão difíceis onde tudo indica que a culpa recai sobre os maus políticos. Então está na hora de uma nova cara nessa política “maquiavélica”. Por isso, é cada vez mais importante a conscientização das pessoas nas eleições, e enfrentar esse momento como uma grande oportunidade de revolução, mostrando quem realmente paga a conta.

Na empresa privada, quando empregado não está apto ao desempenho de suas funções, ele é advertido e caso não haja melhora é demitido, pois assim também deve ser em relação aos que ocupam cargos públicos eletivos (por meio do voto).

Até o momento, é a ferramenta “mais democrática” e legal que está a nossa disposição, no entanto é preciso saber utilizar. Cito aqui um trecho da redeira alagoana Heloísa Helena, onde ela afirma que sente “um misto de tristeza profunda e indignação” com a reeleição de corruptos, pois “é nas urnas que se vê a impunidade constituída”.

Entendo a insatisfação de muitos cidadãos com esse sistema falho, e em virtude disso não procuram nem exercer o direito do voto, apesar de ser obrigatório (o que também, vejo que é preciso rever), ou então votam em branco, nulo, ou simplesmente preferem pagar uma multa. Penso que essas pessoas, são as que possuem o maior poder de mudar a triste realidade da política e acabam desistindo dessa luta. É como se fosse marcar uma manifestação de luta nacional e não comparecer, por achar que sua opinião em nada ajuda ou resolve, é aonde os “maus políticos” são privilegiados pela decisão de poucos, muitos desses corrompidos pelo próprio sistema que os mantém no poder.

Por isso, estou aceitando um desafio, pela primeira vez, estou como pré-candidato a deputado estadual no Paraná, representando Guarapuava e região, em especial o município de Pinhão, onde moro desde criança, “nadando contra a correnteza”, buscando “hackear esse sistema contaminado”, oferecendo propostas que impliquem na melhora de verdade na política.

No entanto para que a política melhore, é preciso que as mudanças iniciem “cortando na própria carne”, nos gabinetes dos parlamentares, cortando e reduzindo as “regalias”. Você sabia que, mensalmente, cada um dos 54 deputados estaduais tem direito a: R$ 25,3 mil de salário (75% do teto constitucional); R$ 96,5 mil para gastar com até 23 funcionários comissionados; R$ 31,5 mil para gastos decorrentes do mandato (com correio, passagens, consultorias, etc.), os gastos com o mandato são reembolsados mensalmente aos deputados (dados do jornal Gazeta do Povo). Defendo a redução de pelo menos 50% dessas benesses, e se por meio de projeto legislativo isso não for possível, na particularidade, dentro dos parâmetros legais, acredito que seja possível destinar ao menos 50% do subsídio, para entidades de cunho social (APAEs, Hospitais de Caridade, Casas Lares, Lar de Idosos, Projeto de proteção animal, etc.), é uma área que elenco com atenção prioritária, este é o primeiro passo.

Outra atitude concreta, é a necessidade de o parlamentar ser mais presente nas cidades, em especial naquelas que ele representa, não só em ano eleitoral, mais com maior frequência, por isso estou adotando um lema “deputado das cidades”, uma forma de gabinete itinerário – caravana, ouvindo as pessoas de perto e presenciando quais são as necessidades.

Dentre vários outros pontos que, precisam de mudança urgente na política está o fim do foro privilegiado, pois o fato de ser parlamentar (autoridade legislativa), não pode ser motivo de crivo jurídico especial, superior ao rito comum; fim da reeleição até terceiro grau de parentesco, acabando com a perpetuação e sucessão no poder, pois não se pode fazer da vida pública uma profissão, mas sim um ato de servir e deixar um legado legítimo idôneo, oferecendo oportunidade para que outras pessoas também possam fazer sua parte.

Diante disso, a Rede Sustentabilidade propõe que, possamos juntos construir uma nova política, que venha a impulsionar as transformações necessárias à construção de um Paraná e Brasil economicamente próspero, politicamente democrático, socialmente justo e ambientalmente sustentável, gerador de oportunidades iguais para todos.

Por isso deixo um convite aos cidadãos de bem, a entrar nessa luta de paz, pelo bem comum, em especial a todos os cristãos, assim como eu, que acreditam numa vida mais digna, justa, fraterna e solidaria, que testemunhe os ensinamentos do Mestre.

“Envolver-se na política é dever do Cristão. Nós cristãos, não podemos nos fazer de Pilatos e lavar as mãos, não podemos!” (Papa Francisco)

 

NELMO CASSIANO KITCKI é pré-candidato a deputado estadual (Rede Sustentabilidade), casado, servidor público, bacharel em Direito, pós-graduado em Gestão Pública e pós-graduando em Direito Penal.

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com