O Reino de Santa Cruz está em Guerra!

A pedido de vários leitores desta coluna volto a escrever sobre o Fabuloso Reino de Santa Cruz. Para quem não sabe que reino é este, sugiro que leiam antes o primeiro texto desta série. Segue o link no final do texto.

Pois é! Uma Guerra Civil, totalmente ridícula, tomou conta de Santa Cruz. O Reino está divido com o pessoal enterrado até o pescoço dentro de suas trincheiras ideológicas. Basicamente são dois grupos distintos. Tem o pessoal do Lado de Lá, que seguem a bandeira encarnada, antes empunhada pelo Rei Molusco e pela Rainha Deposta. Adoram, durante as batalhas, comer pão com um tipo de embutido feito com carne de boi, de porco e de gordura. Tem, ainda, o pessoal do Outro Lado, que apoiam cegamente o Rei Twitter à Beça. Estes seguem bandeiras de qualquer cor, desde que não sejam vermelhas e, como são muito apegados a dogmas conservadores, jamais seguirão uma bandeira que ostente muitas cores ao mesmo tempo, mesmo por que odeiam todo e qualquer tipo de diversidade. Este povo adora soltar rojão em cima de prédios públicos para mostrar sua indignação. Outro dia a Menina Inverno, uma das líderes do Outro Lado,   foi presa após uma noite de rojões sobre a Casa de Julgamento Superior do Reino. Ela adora ser pintada ostentando seus bacamartes.

Ambos os lados seguem seus líderes com um fanatismo absurdo e isto os impede de refletir sobre o que realmente acontece no Reino. Na verdade, Santa Cruz aparenta ser uma Monarquia Constitucional Parlamentarista pois, o Rei reina, mas, não consegue governar. Ao que me parece o reino está melhor com ele do que com o Rei Inebriado e melhor ainda do que com a Rainha que não sabia discursar, cujo maior feito foi uma Ode à Mandioca. Ele tem até boas intenções para com o povo, tentando a todo modo acabar com a corrupção desenfreada que assola o reino desde sempre. Contudo ele se mostra despreparado para ser um líder de verdade. Acreditou que por haver passado uma vida na Câmara dos Comuns estava habilitado para entender os meandros diplomáticos que um Chefe de Governo necessita exercer para lograr sucesso em suas empreitadas. Aliado a isto ele fala o que quer, quando quer e não importa para quem esteja ouvindo e, imediatamente, os cegos dentro das trincheiras replicam estas mensagens através dos “Pombosapp”. Uns criticando e os outros enaltecendo, sem muitas vezes sequer entender do que se tratam.

E enquanto os cegos ideológicos se digladiam, um grupo político, denominado por todos como Meiotão (perdoem-me o neologismo) vai controlando os destinos do reino, já que possuem a maioria dos votos na Câmara dos Comuns. Isto até não seria de todo mal se este meio-campo não fosse, também, dominado por políticos que estão mais interessados em se manter no poder para manipulá-lo em seu favor (aliás como a maioria deles) do fazer do Reino de Santa Cruz o lugar aprazível e desenvolvido que tem o potencial para ser.

O mais triste de tudo é que, bem no meio deste fogo cruzado estão os cidadãos que realmente constroem aquele reino. São pessoas normais que se preocupam, verdadeiramente, em viver num reino desenvolvido em que todos possam prosperar de acordo com a capacidade de cada um. Sem ideias socialistas, comunistas ou fascistas que apregoam ter a solução milagrosa para o sucesso de um povo. Falo desta parte do povo que, não obstante toda a educação precária que recebeu durante sua vida, consegue analisar não só os fatos como eles ocorrem, mas, analisam o discurso de cada lado desta contenda imbecil que tomou conta de Santa Cruz e, apesar de todas as agruras, conseguem se manter fiéis aos seus princípios políticos, religiosos e sociais. São pessoas que permanecem no centro da disputa, todavia, nunca em cima do muro. São pessoas como você aqui do Brasil que chegou até aqui neste texto, isto porque os cegos entrincheirados só admitem ler (quando leem) aquilo que está estritamente ligado ao seu pensamento.

A triste sina do Reino de Santa Cruz

 

 

 

Comentários