Outubro Rosa: depressão e suicídio após o diagnóstico do câncer de mama

O diagnóstico do câncer de mama pode provocar um sofrimento psicológico significativo nas mulheres. As pacientes têm medo da morte, da dor, dos eventos adversos do tratamento, como perda do cabelo e retirada da mama, além de alteração no funcionamento familiar. Este sofrimento pode ser um gatilho para a aparição de quadros de transtornos de humor ou, até mesmo, para o desenvolvimento da ideação suicida.
Saber lidar e tratar corretamente a depressão pode melhorar os desfechos das pacientes com quadros oncológicos, resultando em mais qualidade de vida e maior adesão ao tratamento. Contudo, é necessário entender a variação do risco de suicídio por sexo, idade e tipo de câncer. No caso das pacientes com diagnostico positivo para câncer de mama, elas devem ser avaliadas do ponto de vista psiquiátrico principalmente em relação aos transtornos de humor, pois o desenvolvimento dessas doenças diminui em até 30% a chance de sobrevivência.
de morte relacionadas à doença, a incidência de casos de suicídio é 20% maior entre pacientes oncológicos do que na população em geral. Além do acompanhamento psiquiátrico da paciente, é importante entender o histórico familiar da pessoa para um melhor diagnóstico. Caso outros membros da família já sofram com transtornos de humor, existe uma maior probabilidade de que ela desenvolva quadros semelhantes.

O câncer de mama é o tipo de câncer que mais mata mulheres no Brasil e é a segunda maior causa de mortes femininas no país, atrás somente das doenças do sistema circulatório. Entretanto, se diagnosticado precocemente e tratado de forma adequada, tem até 95% de chance de cura. A conscientização e as campanhas relacionadas ao “Outubro Rosa” são de extrema importância para rastrear o risco de desenvolvimento dessas doenças secundárias em pacientes oncológicas. Dessa forma, conseguimos tempo hábil para encaminhar essas mulheres aos serviços de saúde mental e, consequentemente, aumentar as chances de sucesso no tratamento.

*Dr. Sivan Mauer é médico psiquiatra especialista em transtornos do humor. O profissional é mestre em pesquisa clínica pela Boston University School of Medicine, dos Estados Unidos, e doutor em Psiquiatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Comentários