Salve, salve a irmandade!

(Imagem: Reprodução/Facebook)

Se engana quem pensa que a vida noturna de Guarapuava ‘borbulha’ apenas no Centro da cidade ou nos ‘points’ mais próximos. As vilas e os entornos possuem empreendimentos tão ou mais agradáveis do que muitos que se espalham por aí.

Digo isso, porque me surpreendi – ou melhor, nos surpreendemos – na última sexta-feira (7). A noite estava agradável e decidimos sair de casa. Queríamos um lugar tranquilo, com uma boa comida, um chope tremendamente gelado e música que soasse bem aos ouvidos. Confesso, os mais exigentes. Estávamos afim de um lugar onde ainda não tivéssemos ido.

Assim, a opção recaiu numa choperia artesanal no Bairro Primavera. Todos a bordo, divididos em dois carros, endereço no GPS e lá fomos nós. Ao chegar no local, o vai-e-vem de pessoas nos chamou a atenção. Eram jovens, crianças, pai e mãe. Enfim, famílias. Grupo de amigos conversavam, sorriam, riam, num ambiente de descontração. Um casal, que soube mais tarde serem parceiros de outro no empreendimento, serviam as mesas. No corre-corre para atender a todos, a cordialidade era dividida com outros atendentes.

Sobre a mesa o cardápio apontava pratos simples, petiscos, embutidos artesanais e muito chope, é claro. Porém, se a carne de onça estava simplesmente deliciosa, o chouriço e a calabresa precisam um pouquinho mais de atenção. Pelo menos, para o meu paladar e assim como o de todos que cercavam a nossa mesa.

Entretanto, entre um caneco e outro de chope – a escolha pelo pilsen foi unânime – , o bom e velho ‘rock and roll’, mesmo que em clipes, se fez presente. Assim, o ambiente simples, rústico, nos prendeu por horas a fio. Enquanto isso, o público se revezava, numa roda viva incessante. Então percebemos, e comentamos, que a vida nos bairros também flui de maneira simples, livre. Porém, o que falta mesmo é mostrar a cara, dizer que existe e, dessa forma, atrair as pessoas do Centro da cidade, num processo inverso.

É preciso mostrar que Guarapuava é mesmo uma cidade empreendedora, que abriga homens e mulheres que com o pouco fazem muito. Geram emprego, renda, movimentam a economia. Proporcionam entretenimento e lazer às famílias do próprio bairro. Atraem e conquistam. Assim, como se todos pertencessem a mesma Irmandade!

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

 

 

 

 

Comentários