Senhoras e senhores: o futebol italiano voltou!

*Matheus Buongermino

As quartas-de-finais da Liga dos Campeões apresentou dois dos jogos mais emocionantes do ano: Roma contra Barcelona, Real Madrid e Juventus. Os italianos vieram como franco atiradores nessa edição de mata-mata da edição, e mesmo com a Velha Senhora (expressão referida ao time de Turin) tendo feito boas exibições contra o Tottenham, não era a favorita contra o esquadrão que o time merengue possui.

A verdade é que os dois italianos estavam enfrentando, literalmente, dois leões. Ou esperavam os espanhóis abocanharem com seus respectivos times, ou lutariam para que pudessem ter a mínima chance de sobrevivência. Duelando no Coliseu, quer dizer, Olímpico, a Roma começou assustando os catalães fazendo 1×0 aos primeiros seis minutos de jogo com o centroavante Dzeko. Depois disso, o Barcelona sofreu com a pressão da torcida dentro do estádio e novamente o atacante Bósnio entra pós trás dos zagueiros e é puxado por Piqué, que comete pênalti contra a sua própria meta. A lenda chamada De Rossi, que está a 17 anos no time, converte a cobrança e acende as esperanças nos torcedores presentes no estádio.

Perdendo de 4×1 no jogo de ida em Barcelona, a Roma foi tratada como um ‘’bombom’’ segundo alguns jornais espanhóis. Essa virada era algo inimaginável na cabeça dos Romanistas, tudo era a favor do barça para a classificação nas semi-finais da Champions, mas quando a bola rola, como diria Nelson Rodrigues. ‘’Uma torcida não vale a pena pela sua expressão numérica. Ela vive e influi no destino das batalhas pela força do sentimento’’, o estádio reconheceu a raça dos jogares que estavam em campo e os empurraram até o zagueiro Manolas, completar de cabeça e sacramentar o milagre ocorrido no dia 10 de abril.

No dia seguinte, foi a vez da Juventus tentar a sorte com outro gigante espanhol, o Real Madrid. Parecia que toda epopeia seria reescrita novamente, quando Mandzukic fez de cabeça com menos de 10 minutos de jogo. Depois daí, a Velha Senhora só cresceu dentro da partida, com um Real muito diferente do habitual, com boas chances no ataque e inseguro na defesa, principalmente com o seu guarda-redes Keylor Navas. Ele viu a bola chegar na cabeça do centroavante Croata novamente e marcar o segundo gol da Juventus, além de largar a bola no pé de Matudi, que colocou o time italiano em igualdade no placar agregado.

O andamento do jogo parecia que se estenderia para prorrogação, mas Benátia derruba Lucas Vázquez dentro da área e marca pênalti para os merengues, num lance muito duvidoso para muitos amantes e especialistas de futebol. O goleiro veterano Buffon, o qual é ídolo máximo da Juventus e está no clube desde 2001, foi expulso por reclamação e não teve chance de defender o seu time em sua última partida de Liga dos Campeões. Não tendo nada a ver com isso, Cristiano Ronaldo converte o pênalti e sacramenta a ida do Real Madrid para as semi-finais.

Um esquema de manipulação de resultados afundou o futebol italiano em 2006, envolvendo federação italiana, alguns clubes e árbitros. Isso fez com que a Série A (principal campeonato da Itália) perdesse a sua credibilidade diante das ligas internacionais. A própria Juventus que foi rebaixada diretamente para a Série B por causa do envolvimento com esquema, hoje se reestruturou completamente após disputar as finais de Liga dos Campeões em 2014/2015 e na edição passada. Esses resultados que ocorreram nessa semana podem ser como uma faísca, que pode fazer com que os times italianos reacendam a Europa novamente em um futuro próximo. Todavia, esperaremos para ver o final dessa grande edição de Champions League para tirarmos mais conclusões.

*Matheus é estudante de jornalismo, estagiário do Portal RSN e amante de futebol.

(Foto da capa: Paolo Bruno/Getty Images)

Comentários