Funcionários da Pérola do Oeste denunciam irregularidades em rescisões

De acordo com a empresa a sugestão de um parcelamento de oito vezes para as rescisões, não foi aceita pelos colaboradores. Pagamentos serão feitos à vista

Pérola anunciou demissões de 20% do efetivo total de colaboradores (Foto: Arquivo/RSN)

No dia 4 de setembro a empresa Pérola do Oeste, responsável pelo transporte público de Guarapuava, anunciou o início de uma série de demissões. Inicialmente, conforme a empresa o número de colaboradores a serem demitidos poderia chegar a 20% do total de funcionários. De acordo com a direção da empresa, a necessidade de demitir se deve a queda de receita, aliada à falta de reajuste de tarifa.

Além disso, com o cumprimento da continuidade do oferecimento do serviço, sem qualquer subsídio público, a empresa informou está sendo impossível manter o equilíbrio econômico da operação. Isso mesmo com a parceria dos colaboradores em acordos salariais, firmada anteriormente.

Assim, conforme a assessoria de imprensa, a empresa que presta o serviço de transporte público em Guarapuava está operando com 60% da frota. Além disso, está transportando 30% dos passageiros. Cerca de 21% do total são beneficiários da gratuidade. Ainda segundo a direção da empresa, o cenário se repete há mais de cinco meses numa conta que não fecha, acumulando um grande prejuízo todos os meses.

Infelizmente estamos tendo que tomar essas medidas mais drásticas, porque já passamos do limite há um bom tempo.

Entretanto, colaboradores que foram incluídos na lista de demissões, procuraram o Portal RSN para denunciar irregularidades nas rescisões de contratos de trabalho. De acordo com a denúncia, “os colaboradores receberam convocação individual para demissão. Assim, houve a proposta de um acordo para que a empresa pagasse 20% do valor da multa do FGTS e que o acerto pago em oito parcelas.”

Desse modo, a empresa informou, por meio de nota oficial, que a proposta de parcelamento está descartada após não aprovação por parte dos colaboradores:

A empresa está fazendo todo o trâmite de demissões em ampla conversa com os colaboradores e representantes do sindicato da classe. A primeira proposta de parcelamento sugerida, não teve aceitação do grupo. Não era o desejo da empresa fazer essa série de demissões, que estão ocorrendo unicamente pela extrema dificuldade financeira ativada pela pandemia. A Pérola garante que fará todos os pagamentos de rescisão de contratos rigorosamente de acordo com a lei.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

INDIGNAÇÃO

Em Candói, manifestantes pedem prisão para agressores de animais

LEI ALDIR BLANC

Setor cultural pede socorro para não perder recurso emergencial

PROGRAME-SE

'Trenzinho da Luz' oferece passeio gratuito pela 'Cidade dos Lagos'

Comentários