Cristina Silvestri é nomeada procuradora da mulher na Alep

Guarapuavana é a primeira parlamentar a presidir o órgão

Deputada Cristina Silvestri (Foto: Ascom)

A deputada estadual Cristina Silvestri foi nomeada nesta terça (2) como a primeira presidente da Procuradoria da Mulher na Assembleia Legislativa do Paraná. A posse foi às 9 horas. De acordo com Cristina Silvestri, o órgão vai atuar na fiscalização e na estruturação da rede de proteção à mulher no Estado e nos municípios.

Também vamos trabalhar pela qualificação de profissionais para receber as denúncias de violência. E, principalmente, atuar de forma preventiva e desenvolver políticas públicas de proteção e combate à violência de gênero.

Ainda segundo Cristina, a procuradoria será um órgão facilitador na busca e manutenção desses direitos. E vai fortalecer e incentivar a participação das mulheres na sociedade paranaense.

“Este órgão será de extrema importância, pois se consolidará como um canal direto com a população para receber denúncias de discriminação e violência contra a mulher”. Segundo Cristina Silvestri,  poderá ainda promover os encaminhamentos necessários em busca de soluções rápidas e eficazes.

Para a deputada, assumir a procuradoria será é um desafio. “E também uma honra, principalmente pela importância do órgão frente a um tema tão urgente”.

ALINHAMENTO

A nomeação de Cristina como procuradora da mulher vem de encontro a uma das principais bandeiras da parlamentar, que é a defesa aos direitos femininos. Afinal, a  guarapuavana é autora da Lei do Botão do Pânico, em vigor no Paraná. O dispositivo auxilia mulheres em situação de violência e que possuem medida protetiva.

Além disso, Cristina Silvestri também é autora da lei que implantou o Dia de Combate ao Feminicídio, 22 de julho, sancionada  pelo governador Carlos Massa Ratinho Júnior.  Ela também assina requerimento pedindo a criação do Fundo Estadual dos Direitos da Mulher.

OUTRO PROJETOS

Atualmente, na Alep, tramitam outros dois projetos de lei da parlamentar sobre a mesma temática: um que prevê a garantia de prioridade de vagas em cursos do Estado para mulheres em situação de violência. Outro garante prioridade de vagas nos colégios estaduais para filhos de mulheres vítimas de violência.

“Desde o meu primeiro mandato já realizo um trabalho em prol das paranaenses. Faço isso, propondo projetos de lei e realizando articulações que atendem diretamente as mulheres”.

 

Relacionadas

EDUCAÇÃO

Educação ganha personagens para interagir com estudantes

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

Novo decreto estadual impõe novas medidas sobre eventos

EDUCAÇÃO

Governo adia prova de conhecimento do PSS para 20 de dezembro

Comentários