Empresários pedem urgência em obras na PR-170 em Guarapuava

O perigo está no cruzamento da PR-170 com a av. Sumaré que interliga a Vila Bela ao Distrito. DER já aprovou projeto elaborado por empresários

Empresários pedem urgência em obras na PR-170 em Guarapuava (Foto: Reprodução/Portal RSN)

Quem mora em bairros próximos ou trabalha no primeiro Distrito Industrial de Guarapuava, que fica nas proximidades da PR-170, enfrenta diariamente o perigo de acessar a rodovia para chegar e retornar do trabalho. A rodovia estadual liga Guarapuava aos municípios do Sul do Paraná, além de ser também uma via de acesso aos outros estados do Sul do Brasil.

Porém, com tráfego intenso de carros e caminhões, a rodovia Engenheiro Tancredo Benghi, mais conhecida como PR-170, tem pista simples. Parte da BR-153 em General Carneiro, passa por Bituruna, Pinhão e Guarapuava. Conforme informações, o trajeto tem cerca de 185 quilômetros e muitos pontos perigosos. Alguns deles, conhecidos por acidentes frequentes. E um desses locais fica em Guarapuava.

CRUZAMENTO PERIGOSO

É o cruzamento da PR-170 com a avenida Sumaré, que interliga o bairro Vila Bela ao Distrito Industrial. Conforme empresários, moradores e trabalhadores, o problema antigo desafia a comunidade. Especialmente nos horários de troca de turnos das empresas. Ou seja, no começo e no fim do dia. De acordo com o administrador da empresa Supermix Concretos, Ilton Cesar Santos, a empresa está no local há 17 anos.

Além disso, ele conta que o Distrito cresceu e que surgiram muitas casas ao redor. Consequentemente, a circulação de pessoas aumentou também. “Só com a movimentação dos nossos caminhões são pelo menos 50 saídas e entradas para a rodovia. Desta forma, o que temos visto são os acidentes frequentes, com atropelamento de pedestres e acidentes envolvendo veículos nesse cruzamento.”

Funcionários de empresas do Distrito Industrial se arriscam após um dia de trabalho (Foto: Reprodução/Portal RSN)

RISCO AOS TRABALHADORES

Atualmente, conforme informações dos empresários, o Distrito tem cerca de 2 mil trabalhadores. O Portal RSN conversou com dois deles. Admilson e Edilson estavam de bicicleta. “Essa travessia de manhã e à tarde é bem perigosa. Então a gente precisava de uma melhoria. Já vi carro batendo em moto, é muito perigoso”.

Já Edilson afirmou ainda que é um desafio passar por ali. “Deus nos livre. É muito perigoso. Precisamos urgentemente de uma solução aqui. Já cansamos de ver acidente e morte nesta Região”.

PROJETO APROVADO PELO DER

Desta forma, para dar mais segurança a quem trafega pelo local, empresários se reuniram e elaboraram um projeto para a construção de uma rotatória e vias marginais. “Este projeto inclusive foi aprovado pelo Departamento de Estradas de Rodagens (DER) do Paraná e encaminhado ao governo do estado. Por isso, nós empresários e toda a população de Guarapuava, gostaríamos que houvesse uma recíproca por parte do governo do estado, nos ajudando a fazer essa obra”.

Conforme Santos, na semana passada houve um acidente grave envolvendo uma mulher. Ela tentava atravessar com o carro e acabou batendo em uma carreta. “Já tivemos até mortes nesse trecho. Por isso pedimos um retorno por parte do governo. Que ele possa agilizar essas obras, já que o projeto foi feito por nós e aprovado pelo DER”.

Pedestre fica entre os carros que esperam momento para cruzar rodovia (Foto: Reprodução/Portal RSN)

O Portal RSN esteve no local nessa terça (6) e mostrou ao vivo a falta de segurança. Assim, os caminhões e carros disputam espaço para fazer o retorno no meio da rodovia, ou para cruzar a estrada. Pedestres ficam pelo meio, e se arriscam entre os veículos. Além disso, a insegurança ainda aumenta à noite, por falta de iluminação adequada.

Por fim, conforme os empresários, o projeto elaborado também contempla iluminação no local.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

NOVAS REGRAS

PRF informa sobre regras para quem vai passar pela Ponte da Amizade

REFORMA AGRÁRIA

Incra libera créditos para famílias quilombolas do 'Paiol de Telha'

SEM ÁGUA

Temperatura elevada e baixa reservação afetam abastecimento em LS

Comentários