Entregadores de apps fazem protestos em todo o país hoje (1)

Assim, os entregadores têm como objetivo cobrar o aumento das taxas mínimas recebidas por cada corrida e o valor mínimo por quilômetro

Os entregadores estão cobrando o aumento das taxas mínimas recebidas por cada corrida e o valor mínimo por quilômetro (Foto: Reprodução/Agência Brasil)

Nesta quarta (1), os entregadores de aplicativos vão promover uma manifestação nacional. O objetivo é reivindicar melhores condições de trabalho, medidas de proteção contra os risco de infecção pelo novo coronavírus e mais transparência na dinâmica de funcionamento dos serviços e das formas de remuneração.

Assim, a paralisação vai ser feita por trabalhadores das várias empresas de pedidos de comida e também aplicativos de corrida. De acordo com os organizadores da ação, o movimento foi construído por meio da interlocução por grupos na internet com o apoio de algumas entidades como associações de entregadores e de motofretistas.

AS REIVINDICAÇÕES

Entre os pedidos dos entregadores está o aumento das taxas mínimas recebidas por cada corrida e o valor mínimo por quilômetro. Atualmente, os trabalhadores são remunerados por corrida e pela distância percorrida, o que acaba definindo o pagamento por entrega.

Dessa maneira, os entregadores estão protestando pelos baixos valores e da variação deles para baixo. De acordo com Simões, um entregador do Rio de Janeiro e uma dos organizadores da ação, é complicado trabalhar com valores tão baixos. “Tem dia que é R$ 1, tem dia que é R$ 0,50. As empresas mandam notificação para os clientes falando que já pagam. Não é verdade, eles demoram”.

Outra reivindicação é a mudança dos bloqueios dos trabalhadores, que consideram arbitrários. Eles criticam o fato de motoristas terem a participação suspensa ou até mesmo cancelada a partir de critérios não claros e sem a possibilidade de apuração dos ocorridos e de direito de defesa dos envolvidos.

Segundo Alessandro Sorriso, participante da Associação dos Motoristas Entregadores, as empresas bloqueiam os trabalhadores de forma injusta, sem entender o ocorrido. “Nós dependemos da plataforma pra trabalhar e para levar o sustento para casa. Eu e mais 40 motoboys fomos suspensos de um app. Paramos três dias pra reivindicar e, no segundo dia, nos bloquearam. Algumas vezes você entrega o pedido, o cliente alega que não recebeu, o app manda outro pedido e acaba bloqueando o entregador por 48 horas sem sequer ligar para o entregador”.

Desse modo, em relação à remuneração e aos bloqueios, os entregadores questionam a falta de transparência das plataformas, que não deixam claras as formas de cálculo dos pagamentos e os critérios utilizados para a suspensão das contas dos trabalhadores.

NEGOCIAÇÃO

Além disso, Simões relata que, até o momento, as empresas de entrega não entraram em contato para se reunir com os entregadores e iniciar uma negociação sobre as demandas. Enquanto isso, as companhias vêm divulgando ações na mídia e aos usuários.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

SEM SAIR DE CASA

Digitalização do atendimento público evita milhões de deslocamentos

SIMPLES NACIONAL

Empresas inadimplentes não serão excluídas do Simples em 2020

COVID-19

Universidades federais conduzem 1.260 pesquisas sobre covid-19

Comentários