FG reedita revista eletrônica como incentivo à produção científica

A ideia é incentivar o engajamento de acadêmicos e professores na produção científica regional

Foto: Divulgação

Com uma política de incentivo voltada à produção científica, a Faculdade Guarapuava lança mais uma edição da revista eletrônica Diálogos Multidisciplinares. A circulação será neste primeiro semestre e vai ter artigos sobre políticas sociais, agronegócios com foco nas necessidades nacionais, falará também sobre autismo, paisagismo e planejamento urbano, além de outros temas.

De acordo com o diretor geral da Instituição, Leonardo Becker Mattos Leão, principal defensor da produção científica nos cursos de graduação da FG, o desafio do ensino superior atualmente é formar indivíduos capazes de buscar conhecimento e de saber utilizá-los.

“Não queremos que os nossos alunos sejam meros depositários de informações, mas queremos e estamos formando os cidadãos e profissionais de que a sociedade precisa”, diz.

Segundo Leonardo, para isto, as atividades, extras e curriculares  são voltadas para a solução de problemas e para o conhecimento da realidade regional, tornando-se importantes instrumentos para a formação dos estudantes.

Dentro dessa nova política da direção, depois de um longo período sem publicações, a revista que surgiu em 2012 voltou a ser editada em 2018 para contemplar trabalhos nas linhas de pesquisa das ciências naturais, humanas, sociais e exatas.

A ideia é incentivar o engajamento de acadêmicos e professores na produção científica regional, podendo participar também pesquisadores de outras instituições.

Segundo o professor Jhonatan Dantas, um dos editores, o meio eletrônico foi escolhido por facilitar o acesso de todos. “Os meios eletrônicos atingem de uma maneira geral uma gama maior de pessoas e qualquer um pode ter acesso de casa. Assim podemos divulgar pelas redes sociais e isso faz com que o incentivo a produção seja maior, é mais dinâmico, mais rápido”.

Jhonatan divide a responsabilidade de edição e organização da revista com o professor Willian Bonete. Willian defende que o artigo publicado na Revista ajuda a popularizar o trabalho de pesquisa: “O trabalho não fica restrito aos ambientes físicos, o que ocorreria se fosse impressa, assim a contribuição para área acadêmica é maior, inclusive enriquece o currículo Lattes ao dar maior visibilidade para o pesquisador”.

SELEÇÃO

Um dos diferenciais da revista é a incorporação de artigos apresentados no Seminário de Pesquisa e Extensão da FG (Sepex). Nele, alunos de todos os cursos apresentam trabalhos científicos.

Mas para fazer parte de Diálogos Multidisciplinares, o artigo deve cumprir todas as normas e passar por um processo de avaliação feito pelos pareceristas, que são.

Os especialistas nas áreas de pesquisa de outras instituições, a maioria com doutorado.

Os avaliadores analisam os trabalhos e fazem recomendações. Somente após as correções e a edição, os artigos podem ser publicados.

“O acadêmico que participa do Sepex enriquece o currículo e pode ter o artigo publicado na revista. Isso dá a possibilidade de continuar a pesquisa depois da graduação em programas de mestrado e doutorado”, diz o editor.

COMO PARTICIPAR

A chamada para participação é realizada por meio de edital publicado no site da faculdade. Na página é possível também verificar as normas para publicação.

Para acessar, basta ir até o site da faculdade www.faculdadeguarapuava.edu.br e, no lado direito da página inicial, clicar no link das revistas eletrônicas.

A edição de nº 4 deve sair ainda no primeiro semestre e vai ter artigos sobre políticas sociais, agronegócios com foco nas necessidades nacionais, falará também sobre autismo, paisagismo e planejamento urbano, além de outros temas.

 

 

 

Relacionadas

COLÉGIO MILITAR

Comunidade escolar começa a consulta pública em Guarapuava

MODELO CÍVICO-MILITAR

Direção de escola chama a polícia para conter tumulto em Prudentópolis

AULA INAUGURAL

UniGuairacá dá início às atividades da 2ª turma de mestrado profissional

Comentários