Fiat começa a produzir motores em Campo Largo em novembro

Campo Largo – A Fiat Powertrain Technologies (FPT), subsidiária do Grupo Fiat, começa em novembro a produção de motores na fábrica de Campo Largo (Região Metropolitana de Curitiba). A FPT comprou as antigas instalações da Tritec Motors, onde serão produzidos novos modelos para atender aos mercados nacional e internacional. Esta será a maior fábrica de motores para veículos do Grupo Fiat na América do Sul. Os investimentos somam R$ 250 milhões.
Nesta quarta-feira (15), técnicos da FPT e da prefeitura de Campo Largo visitaram as instalações. “Estamos preparando a fábrica, recebendo as máquinas. Em novembro começamos a produção em escala comercial. A capacidade de produção é de 400 mil motores por ano e o Grupo Fiat tem boas perspectivas, principalmente em função de o Brasil estar bem no que se refere à produção de automóveis pequenos”, afirmou o diretor industrial da unidade, Marcelo Reis.
Em Campo Largo, a FPT vai desenvolver novos modelos de motores de quatro cilindros e média cilindrada, de 1,4 e 1,6 litro, nas versões gasolina e flex, visando atender os mercados nacional e internacional, conforme disse Marcelo Reis. “Hoje, a FPT produz no Brasil o motor fire de 1,0 a 1,4. A unidade de Campo Largo vai completar nossa oferta na América do Sul”, salientou o diretor.
A engenharia dos motores está sendo desenvolvida em conjunto pelos Centros de Betim (no Estado de Minas Gerais), da Itália e de Campo Largo, que fará toda a produção – 500 protótipos já estão prontos. Neste momento, eles estão passando por testes de durabilidade, segurança, entre outras questões de certificação. De acordo com Marcelo Reis, em setembro os motores passarão pela montagem pré-série, quando são testados em veículos.
Os motores poderão ser produzidos tanto para os modelos de veículos da Fiat como para os de outras montadoras. Atualmente, nas 16 fábricas de oito países da Europa e da América Latina, A FPT produz 2,9 milhões de motores. Nas três instalações do Brasil, são 700 mil unidades anuais. Com a unidade de Campo Largo, a quarta fábrica nacional, a meta é alcançar 1,2 milhão de motores por ano.
“Vamos desenvolver novas famílias de motores, investir em tecnologia, em capacidade e qualidade da nossa produção. A fábrica de Campo Largo será a maior produtora de motores da América Latina e a mais competitiva em nível mundial”, afirmou o superintendente da FPT, Franco Ciranni, durante anúncio da negociação em março do ano passado, no Palácio das Araucárias, em Curitiba.
A assessoria de imprensa do FPT informou que a empresa assumiu o compromisso com o Governo do Paraná de priorizar a recontratação dos antigos empregados da Tritec Motors, fechada em julho de 2007. As primeiras contratações já foram feitas – 150 empregos, entre diretos e indiretos. Quando a fábrica estiver em pleno funcionamento, em 2011, serão 500 postos de trabalho diretos e 1,5 mil indiretos.

NEGOCIAÇÃO – A Tritec Motors era uma empresa formada pela Chrysler e pela BMW, constituída para fabricar motores 1,4 e 1,6 para veículos montados no exterior pelas duas multinacionais – o Grupo Fiat vai continuar fabricando estes motores, que terão novas tecnologias.
A Tritec foi fechada em julho de 2007, quando 382 trabalhadores foram demitidos. Cerca de 80 funcionários continuaram trabalhando na manutenção dos equipamentos. A negociação da compra, em 2008, incluiu o terreno, de 1,27 milhão de metros quadrados, a unidade industrial (40 mil metros quadrados), as linhas de produção e a licença para a linha de produtos até então fabricados pela Tritec.
O Grupo Fiat instalou-se no Paraná no início da década de 1990, durante o primeiro governo de Roberto Requião. À época, a Fiat absorveu a indústria de tratores New Holland, instalada na Cidade Industrial de Curitiba.

Relacionadas

PANDEMIA DA COVID-19

80ª morte por covid-19 é confirmada em Guarapuava

PANDEMIA

Saúde divulga Nota Orientativa sobre prevenção de variantes do coronavírus

MAIS CHUVA

Última semana de janeiro será de tempo instável em Guarapuava

Comentários