Movimento negro entrega bandeira nacional no Palácio Iguaçu

O ato repudiou a ação de vandalismo que queimou, na segunda (1), a Bandeira do Brasil que fica hasteada em frente ao Palácio Iguaçu

Movimento negro entrega bandeira nacional no Palácio Iguaçu (Foto: AEN)

Uma nova bandeira do Brasil tremula em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, em Curitiba. É que o Movimento Negro Organizado da capital entregou uma bandeira nacional ao chefe da Casa Militar do Governo do Estado, tenente-coronel Welby Pereira Sales.

O ato dessa quarta (3) foi acompanhado pela Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social (Sudis). Foi um repúdio ao vandalismo que queimou, na segunda (1), a Bandeira do Brasil hasteada em frente ao Palácio Iguaçu.

De acordo com a Agência Estadual de Notícias, o espaço do Pavilhão Nacional precisou ser higienizado por conta de pichações. Além disso, o mecanismo que conduz o hasteamento teve que ser consertado, já que havia sido danificado pelos vândalos.

Conforme Denilton Laurindo, assessor da Sudis e presidente do Grupo de Trabalho dos Povos e Comunidades Tradicionais do Paraná, o Governo do Estado prima pelo diálogo com todos os movimentos sociais.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior reconhece a importância do movimento negro e repudia todos os atos de racismo e de vandalismo.

Entretanto, o ativista diz que a manifestação de segunda (1) contra o racismo é legítima. “Alguns mal-intencionados que causaram malefícios à cidade e ao poder público, além de reconhecidos, precisam ser criminalizados pelo ato”.

Porém, para Laurindo, a  manifestação é, de fato, uma luta legítima da população negra. “Vidas negras importam e o enfrentamento ao racismo precisa ser discutido”.

“A LUTA É VÁLIDA”

O chefe da Casa Militar também reafirmou que a luta do movimento antirracista é válida. “O que não podemos aceitar são os vândalos que vêm depredar e retirar a bandeira. Mas com certeza o Governo do Estado está sensível a todas as manifestações pacíficas. Estamos todos juntos”.

Em um texto no site do Centro Cultural Humaitá, os ativistas negros esclarecem que os atos de vandalismo não correspondem à pauta do movimento. De acordo com o professor Célio Jamaica, foram feitos à revelia da organização da Marcha Antirracista.

“Nossa preocupação hoje é resgatar os símbolos de igualdade. Queremos romper com a ideia de que o movimento negro é violento. O racismo e o preconceito que são violentos”.

VANDALISMO

Um adolescente foi apreendido pelo Batalhão de Operações Especiais (BOPE) da Polícia Militar nessa quarta (3) por envolvimento no vandalismo à Bandeira Nacional. O pavilhão nacional estava hasteado em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba. O ato aconteceu segunda (1).

O rapaz estava com um grande pedaço da bandeira e foi conduzido à Delegacia do Adolescente para os procedimentos. Na casa do rapaz, no bairro Cajuru, ao procederem a abordagem, os policiais encontraram um grande pedaço da Bandeira Nacional.

Após as medidas de praxe no local, o suspeito foi encaminhado à Delegacia do Adolescente para ser ouvido pela autoridade policial.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

QUE FRIO!

Temporal que afetou 70 cidades paranaenses trouxe frio intenso

TEMPOS DE DIFICULDADE

Governador fala sobre dificuldades que o Paraná enfrentou nesta semana

AUXÍLIO

Prazo para pedir auxílio emergencial termina hoje (2)

Comentários