Procuradoria da Mulher debate violência em julgamentos de mulheres

Audiência pública também marca o início da campanha de 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher

Procuradoria da Mulher debate violência em julgamentos de mulheres  (Foto: Assessoria parlamentar)

A procuradora da Mulher na Assembleia Legislativa, Cristina Silvestri, coordena a audiência ‘on-line’ nesta sexta (20), às 16h. Conforme a programação, o encontro será transmitido ao vivo pelas redes sociais da Assembleia. E também, pela TV Assembleia, canal aberto 10.2 e 16 pela Claro/Net.

De acordo com a deputada, a audiência marcará também o início da campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência Contra as Mulheres. Entretanto, a posição da mulher em julgamentos com perspectiva de gênero e raça, estará no ponto central das discussões. O encontro ocorre no Dia Nacional da Consciência Negra.

Conforme Cristina Silvestri, a Procuradoria traz para o Paraná o debate sobre essa temática tendo como ‘pano de fundo’, um caso de repercussão nacional. “Uma influenciadora digital, foi humilhada durante um julgamento, justamente, por quem deveria defendê-la. Se a culpabilização da vítima ocorre em casos como esse, com mulheres que possuem influência e são conhecidas, imagina com as que nós não conhecemos? E as socialmente mais vulneráveis, como as negras?”.

A CAMPANHA

A campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” trata-se de uma mobilização global. Entretanto, no Brasil dura 21 dias. Isso porque inicia no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, seguindo até 10 de dezembro. Trata-se do Dia Internacional dos Direitos Humanos.

PARTICIPAÇÃO

A audiência conta com a parceria do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher. Conforme a Alep, o debate terá a participação das deputadas Mabel Canto (PSC), Cantora Mara Lima (PSC), Maria Victória (PP) e Luciana Rafagnin (PT). Além dos deputados Luiz Cláudio Romanelli (PSB) e Professor Lemos (PT). Segundo a Alep, todos são autores da Lei Estadual 20.234/2020, que implantou no Paraná a campanha de ativismo.

Conforme a Alep, a audiência contará, ainda, com o Núcleo Itinerante de Questões Fundiárias e Urbanísticas; Comissão de Estudos sobre Violência de Gênero da OAB PR. Assim como da Comissão da Mulher Advogada da OAB PR; e coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

Novo decreto estadual impõe novas medidas sobre eventos

EDUCAÇÃO

Governo adia prova de conhecimento do PSS para 20 de dezembro

PANDEMIA DA COVID-19

Governo do Paraná confirma implantação do toque de recolher

Comentários