A arte expõe fragmentos de memória, em Guarapuava

Pacientes com Alzheimer participam de atividade lúdicas que visam a inclusão

Professo Adriano (Foto: RSN)

O som clássico que sai das teclas do piano geram um clima nostálgico no ambiente. Entre as quatro paredes do casarão centenário, o Solar Ana Joaquina, hoje sediando o Centro de Artes e Criatividade Iracema tricô Ribeiro, bem no Centro de Guarapuava, expõe as mazelas de uma doença neuro-degenerativa, o Alzheimer.

Exposição (Foto: RSN)

Uma exposição de fotografias mostra um pouco do dia-a-dia de pessoas que são pais, mães, avós, bisavós, e antes de tudo, filhos. Atendidos pela Associação de Estudo Pesquisa e Auxílio a Pessoas com Alzheimer (AEPAPA), pacientes e familiares participam de projetos que visam a inclusão social.

Fotos expostas (Foto: RSN)

Quem entrar no Centro de Artes até esta sexta feira (24), das 8 às 17h30, vai ter contato com a vida – e a memória, em declínio – de 64 pacientes, diagnosticados com a doença. Embora não haja números precisos de pessoas diagnosticadas com a doença no terceiro planalto, a AEPAPA, a partir de dados nacionais, aponta para um montante expressivo na cidade, conforme relata Etiene Rabel Corso, integrante da equipe de serviço social da associação.

Dados da Associação Brasileira de Alzheimer, 6% da população idosa possui Alzheimer. Guarapuava tem uma população idosa de cerca de 12 mil pessoas, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. De acordo com a Associação, nesse universo, é possível que o município possua cerca de 700 portadores de Alzheimer.

Álbuns são recortes da vida (Foto: RSN)

Para recuperar um pouco da história de cada um, com o auxílio de alguém da família, os idosos tem aulas de colagens, de artesanato, que montados em quadros, colam cada pedacinho da história individual e da família. Nos quadros pendurados nas paredes, é possível perceber traços mais sutis, outros mais densos. Nos álbuns pessoais, fragmentos de uma vida inteira, sem lapso de memória.

De acordo com a psicóloga Laurini Abilhos, da AEPAPA, os “pacientes sofrem muito com exclusão social então, a partir do momento que eles saem em outros lugares ou participam de atividades como essas, conseguem se ver muito mais ativos”.

A entrada é franca.

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários