O céu desta quarta feira é da Lua

Eclipse lunar (Foto: NASA’s Goddard Space Flight Center)

Ela, a lua, é a musa dos namorados, das pessoas místicas, daquelas que curtem a natureza em toda a sua essência. E a noite desta quarta feira (31) é dela e em dose tripla. Um fenômeno raro, a Superlua, a Lua Azul e a Lua de Sangue, marcam a noite deste dia 31 de janeiro. O fenômeno que não acontecia há 150 anos, vai fazer milhões de pessoas olharem para o céu em várias partes do mundo. Infelizmente, no Brasil, de acordo com a  Nasa, apenas cidades do Norte do país, a maioria no Estado do Acre, poderão ver o eclipse lunar. O que será visível no território brasileiro é Superlua e a Lua Azul.

 De acordo com o site Sputinik, a Superlua, uma lua cheia em seu ponto orbital mais próximo da Terra, será a última de uma série de três: a primeira deu as caras no dia 3 de dezembro e outra em 1º de janeiro. Considerando que esta será a segunda lua cheia em um mês, o fenômeno é classificado também como uma Lua Azul.

De acordo com a NASA, superluas são 14% maiores e 30% mais brilhantes que as luas cheias no apogeu, o ponto mais distante da órbita da Terra.

Durante um eclipse, a lua aparece avermelhada por causa da flexão da luz do Sol ao redor de nosso planeta. É por isso que as luas totalmente eclipsadas também são chamadas de “luas de sangue”. E aqui vai a notícia que deixa o evento ainda mais raro: há um eclipse agendado para o mesmo momento, segundo o Sputinik.

Para nós, brasileiros, os horários serão diferentes. O eclipse começará às 13h48 no horário de Brasília e atingirá o ápice às 15h30. Quem estiver de passagem pelo leste asiático, oeste da América do Norte e pelo Pacífico, porém, terá a chance de ver um evento único.

Para a grande maioria incapaz de estar em uma destas localidades, porém, ainda há uma maneira de observar o satélite. O projeto The Virtual Telescope realizará uma transmissão ao vivo pela internet a partir das 15h30. Imperdível.

A última vez que a Superlua, Lua Azul e a Lua de Sangue ocorreram simultaneamente foi em 1866 e a próxima vez será apenas em 31 de janeiro de 2037. A raridade do evento desperta a curiosidade de diversas áreas, seja pela explicação científica sobre os diferente fenômenos lunares, seja pelo impacto que as posições lunares teriam em nossas vidas e no mundo. A Sputnik ouviu especialistas da astronomia e da astrologia sobre suas diferentes perspectivas em relação aos movimentos celestes.

Perguntado sobre as crenças populares de que as posições da Lua podem causar influência sobre a saúde humana e o comportamento de pessoas e animais, o professor de física da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), Marcelo Souza, foi categórico ao responder se havia uma relação científica que justificasse tais fatos.

“Não. Já fizeram todo o tipo de pesquisa e não tem nada comprovado. O único efeito realmente comprovado são as marés”, destacou.

Segundo ele, “o campo gravitacional da Lua junto com o campo gravitacional do Sol e o movimento do sistema Terra-Lua são responsáveis pela maré.

“A maré acontece por isso. Então aquele ciclo de marés que a gente vê está relacionado diretamente à Lua e o Sol e o movimento entre a Terra e a Lua”, explicou.

O físico também comentou sobre a possível relação científica com o fato de que pessoas gostam de cortar o cabelo de acordo com as posições da Lua. Segundo Marcos Souza, “a relação com a ciência aqui também é zero”.

Já fizeram várias experiências pra poder tirar qualquer dúvida e não teve mudança nenhuma entre você cortar o cabelo na lua cheia, na lua crescente, na lua nova, lua minguante… vai acontecer de qualquer jeito”, concluiu o especialista.

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários