Quando a arte supera até a paralisia cerebral

João Maria, de 28 anos, viaja 60 quilômetros por dia para estudar no Ceebja, em Guarapuava. Lá, ele descobriu o seu talento para a pintura

João e a sua arte (Foto: Arquivo pessoal)

João Maria Piaceski tem 28 anos, mora na localidade de Campo Novo, no Distrito da Palmeirinha, e viaja aproximadamente, 60 quilômetros todos os dias para estudar no Ceebja, em Guarapuava. É um jovem cheio de planos e alegre demais, por isso, não permite que sua vida seja contada de forma desanimada.

Do nascimento à vida adulta, João enfrentou os desafios, a descoberta de si e dos outros, a formação da personalidade, as terapias e os medos, as descobertas e alegrias de um jovem que é portador de paralisia cerebral. Mas quem acha que a deficiência o limita, está enganado.

Atualmente, João é aluno concluinte do ensino fundamental e foi na modalidade individual que ele, juntamente com a professora de Apoio à Comunicação Alternativa, Eroni Tonon Portela, desenvolveram um projeto extracurricular. A interação diária de ambos suscitou o despertar e o desejo de explorar a habilidade cognitiva e artística de João. Segundo a professora, a satisfação e a alegria dele enquanto pinta é indescritível.

“Apreciamos obras de artistas como Tarsila do Amaral e Portinari, porém, optamos por explorar e fazer uma releitura da obra Francisco de Assis da artista plástica guarapuavana, Márcia Zvolinski Rodrigues”, disse a professora.

Artista produzindo (Foto: Divulgação)

Em 2019, João começará uma nova trajetória, no Colégio Ana Vanda Bassara. Lá, ele irá cursar informática. O jovem disse que sentirá saudades do Ceebja. Ele lembra com carinho e gratidão do esforço da família, de todos os professores e agentes educacionais que passaram pela sua caminhada, inclusive da APAE e SESC.

De acordo com a professora Eroni, a deficiência é uma característica do corpo, uma permanência, não é uma patologia estranha ao indivíduo.

“A partir do momento em que se adquire uma deficiência, ela modifica e se integra ao estado da pessoa, não é algo que possa ser curado, ou seja, a pessoa com deficiência não é doente, ela apenas está em uma nova condição física, sensorial e/ou intelectual”.

(Foto: Divulgação)

Segundo a professora, o Ceebja propicia uma inclusão benéfica para o crescimento social e educacional aos alunos portadores de deficiência, onde se constrói novas formas de trabalhar, a partir das singularidades dos sujeitos.

“Agradecemos a diretora, Cláudia Marcelino, que tão logo tomou conhecimento do projeto, se fez presente nos dando todo o suporte”.

Relacionadas

Comentários