Os oito anos que mudaram Candói têm a marca de Gelson Costa

Durante oito anos, o dinheiro público teve tratamento ímpar. Os resultados surgem no topo do 'ranking' como modelo nacional

Cristina Esteche

Certo dia conversando com um prefeito da Região, ele me disse que o sonho de consumo de todo gestor público seria ter uma administração como a de Candói. Ele se referia ao estilo de Gelson Costa, prefeito por dois mandatos consecutivos. Inicialmente pelo PT e depois pelo PDT.

Mas o que justificaria esse comentário feito por outro gestor? A resposta é fácil. Trabalho, honestidade e transparência foram as marcas dos últimos anos em Candói.

Assim, o filho do ‘seu’ Sebastião e da dona Tereza Kruk da Costa, moradores antigos da localidade de Tirivas, trocou o cabo da enxada pelos bancos universitários. E um curso apenas não bastou. Ele possui licenciatura em Filosofia, em História e em Pedagogia. Além de especialização em Gestão e Organização do Trabalho Pedagógico; em Educação do Campo; e ainda mestrado em Educação com ênfase em Educação, Políticas Públicas e Estado.

Entretanto, apesar ser professor universitário, ele entrou para a política e elegeu-se prefeito de Candói. “Somos todos um ser político por natureza (Aristóteles). Dessa forma, ser ou estar Prefeito, seja em um município de grande porte ou com menos de 50 mil habitantes, depende do contexto histórico e geográfico no qual você está inserido”.

Desse modo, a oportunidade surgiu nas eleições de 2012 após uma discussão coletiva do Partido dos Trabalhadores do município. Gelson venceu as eleições quebrando um paradigma contra forças políticas tradicionais e conservadoras.

 

(Foto: Arquivo pessoal)

Todos nós, cidadãos, temos nossas obrigações com a sociedade. Fazemos parte dela. Portanto, ser prefeito de um município pequeno e novo como o Candói é uma oportunidade única para contribuir no desenvolvimento do município e na melhoria de vida da nossa população.

(Foto: Arquivo pessoal)

O POVO AJUDOU A ADMINISTRAR

Utilizando a política do orçamento participativo, onde a população organizada delibera as prioridades de maneira coletiva, Gelson executou o que a população pediu.
“O mandato foi conduzido por eixos de trabalho e pastas específicas, o que, automaticamente contribuiu para a execução de obras, eleitas como prioridades em reuniões do Orçamento Participativo em todas as comunidades. Portanto, todas foram obras reivindicadas e demandadas pela comunidade em geral”.

ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS

Durante oito anos, o dinheiro público teve tratamento ímpar. Após diagnóstico geral de todas as Secretarias apontando deficiências e potencialidades, os resultados surgem no topo do ‘ranking’ como modelo nacional.

“Quitamos mais de R$ 2,6 milhões em financiamentos, contraídos por ex-gestores para compra de ônibus e construção de asfaltos. Com isso, conseguimos eliminar o pagamento de juros aos bancos e melhorar as finanças municipais”.

Conforme Gelson Costa, foram pagos aproximadamente R$ 4 milhões em precatórios, resultado de ações de ex-prefeitos.

Atualmente o município de Candói não possui financiamentos e nem dívidas, trabalhando com recurso em caixa e fazendo investimentos de acordo com as prioridades da população. Assim, tem um potencial de R$ 70 milhões de endividamento, caso necessite.

E durante todo o período em que esteve comandando a Prefeitura, Candói chegou em 2019 na 29ª colocação de melhor Índice FIRJAN de gestão Fiscal dos 399 municípios do Estado do Paraná . E também na posição 137ª no Brasil dos 5.570 municípios existentes.

Além disso conquistamos o 1º lugar em Transparência no Estado do Paraná, segundo o Tribunal de Contas do Estado, desbancando grandes cidades como Cascavel, Maringá, Londrina, Curitiba, entre outras. 

Entretanto, as conquistas financeiras não pararam por aí. O respeito na condução do dinheiro público permite que Gelson entregue a administração com as finanças em dia. Assim, num ano em que há previsão de que a crise econômica vai se agravar, o prefeito eleito terá dinheiro em caixa.

Estamos entregando o município com aproximadamente R$ 15 milhões em caixa e sem dívidas. E elevamos  o patrimônio do Município de R$ 52,7 milhões (dez/2012 ) – resultado de 20 anos de administração-  para R$ 127 milhões (dez/2020), em oito anos de administração. Ou seja, um aumento de 140%.

Com dinheiro em caixa, finanças em dia, o acesso a convênios foram facilitados. Assim, surgem obras por todos os cantos do município. São construções de escola e de Cemei na sede, além de reformas e ampliações. Assim como a da estrutura da Casa Familiar, com implantação de Curso Superior Federal, presencial e gratuito, na divisa. Houve a reforma do Centro Cultural, no Bairro Pioneiros, e a reforma e revitalização da Rodoviária Municipal, no Bairro Pioneiros.

Assim sendo discorrer sobre as obras executadas na sede e no interior seria ocupar páginas e páginas. Afinal, a marca das administração de Gelson Costa estão na área da saúde, com construção e ampliação de novos postos de saúde. Além da construção do Centro de Especialidades Odontológicas, no Bairro Pioneiros.

Entretanto, outras obras contemplam construções e reformas de 10 centros comunitários e um Clube de Mães, além de muros em quatro cemitérios. Todavia, os investimentos passam também pelas construções do Centro de Exposição e Leilão de Gados, no Centro de Eventos Municipal, da Hípica Municipal, no Centro de Eventos. Além de outras na área esportiva.

Do mesmo modo, moradias populares, sinalização vertical, redutores de velocidade, construção do transbordo municipal, do centro de reciclagem municipal, e tantas outras obras deixam as marcas do trabalho de Gelson Costa como gestor público.

Foram investidos mais de R$ 70 milhões somente em obras.

ENTRE O URBANO E O RURAL

PIXABAY

Entretanto, uma cidade interiorana precisa conviver com o urbano e com o rural de maneira harmoniosa. Tudo focando na qualidade de vida da população. Assim, surgiram investimentos na área rural para gerar renda e manter o homem no campo. Nesse sentido, estradas rurais foram pavimentadas.

Outro ponto importante a ser analisado é o fato do município possuir uma enorme extensão territorial, ou seja, com 1.512,79 km² e aproximadamente 3.700 quilômetros) de estradas rurais a serem conservadas em condições de trafegabilidade.
Portanto, essa foi umas das áreas priorizadas nas duas gestões de Gelson Costa com reabertura, manutenção, readequação e cascalhamento de quase a totalidade das estradas rurais do município. Além disso, foi implantado o Programa Pavimentação de Estrada Rural.
No total foram pavimentadas mais de 47 km de estradas rurais, sendo 18,3 km com calçamento e 29,9 km com asfalto.
Assim, a sede ganha uma roupagem de urbanidade ao ter ruas pavimentadas. Portanto, hoje, andar pelas ruas de Candói é perceber que o progresso e o desenvolvimento ganham formato, beneficiando o comércio, valorizando as moradias. E por falar em casas, foram construída 91 unidades em várias localidades do interior e outras 40 na cidade.

UMA GESTÃO COM CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

Candói, por muitos anos, utilizou o aterro sanitário a “céu aberto”, localizado próximo ao Centro Municipal de Eventos, na comunidade de Divisa. Dessa forma, existe naquele local um passivo ambiental que vai prejudicar a natureza e o ser humano no futuro.
Ou seja, no momento todo aquele lixo orgânico e inorgânico, acumulado ao longo do tempo, foi aterrado e está aos pouco produzindo o chorume, um líquido que pode ser mais prejudicial a natureza e ao ser humano do que o próprio esgoto.

Em 2013, quando assumiu o governo municipal, o diagnóstico apontou a questão do lixo como umas das prioridades emergenciais do governo. Como encaminhamento foram tomadas quatro medidas essências ao longo do governo.
Conforme o prefeito promoveu-se o fechamento, regularização e legalização ambiental do “Bota Fora”, na Comunidade de Corvo Branco II. Neste local, somente pode ser descartado galhos, entulhos e materiais de construção. O local é legalizado e autorizado pelos órgãos ambientais.
Surge também a construção do Transbordo Municipal localizado próximo ao Centro Municipal de Eventos, na comunidade de Divisa. No local, é levado todo o lixo produzido na cidade. Com isso, em média duas vezes por semana, uma empresa terceirizada recolhe e transporta o lixo para a sua destinação final em outro município.

Centro Municipal de Reciclagem

Há ainda a construção do Centro Municipal de Reciclagem e Aquisição de Equipamentos para o recolhimento do lixo, seleção, processamento e empacotamento para venda.  O local está cedido e é gerenciado por uma Cooperativa de Catadores. Aproximadamente oito famílias sobrevivem da reciclagem do lixo.

A TECNOLOGIA VAI AO CAMPO

O pequeno e médio agricultor são pessoas comuns como as pessoas que vivem na cidade, ou seja, querem um trabalho e também qualidade de vida. Somente estão em espaços geográficos distintos. Portanto, não é somente a rentabilidade que deve ser pensada para que ele permaneça no campo. A família como um todo quer, também, acesso a saúde, educação, lazer, moradia, estradas de qualidade e acesso as novas tecnologias ofertadas pelo mercado, entre elas a internet e os novos maquinários agrícolas.”Com o avanço tecnológico, praticamente 90% do nosso interior tem cobertura de telefonia e internet.
O município de Candói é divido por Regiões administrativas que oferecem estruturas educacionais e de saúde à comunidade.
Como estamos falando de pequenos e médios agricultores, além do acesso a internet, eles também almejam o acesso as tecnologias agrícolas voltadas para a produção. Tecnologias de valor muito alto, praticamente inacessível para estes agricultores.
Por isso, o município de Candói implantou o Programa Patrulhas Agrícolas. Além disso, o município manteve programas de governos municipais anteriores, acessou programas do Estado e do Governo Federal, bem como criou novos programas com o objetivo de incentivar, principalmente o pequeno e médio agricultor.

Contudo o pilar para esse desenvolvimento está no Orçamento Participativo. Além dos agricultores e da comunidade em geral ter acesso as informações e prestações de contas do governo, também podem dialogar, criticar e sugerir prioridade de ações no município.
Via esse programa, também, foi disponibilizado recurso para as associações do município com a finalidade de reformar/ampliar ou construir centros comunitários e adquirir equipamentos e mobiliários para os centros comunitários. Foram investidos mais de R$ 3 milhões somente neste programa. São 16 programas instituídos e desenvolvidos.

O GARGALO DA SAÚDE ESTÁ NAS ESPECIALIDADES: UM DEVER DO ESTADO

Um dos gargalos da administração municipal, em qualquer lugar do país, são as especialidades médicas.
Apesar da legislação ser frágil quanto as responsabilidades e competências de cada Ente Federativo, por outro lado são respeitados alguns parâmetros quanto as obrigações em investimentos e atenção ao atendimento em saúde à população em geral.

Apesar disso, Candói tem cumprido em aproximadamente com 90% de suas obrigações quanto a Saúde Básica e Preventiva. Entretanto, o Estado por outro lado, não vem cumprindo com suas obrigações quanto ao atendimento à população em geral com médicos especialistas e exames específicos.
Dessa forma, o município tem investido em especialidades via o Consórcio de Saúde CIS-Centro Oeste. De janeiro de 2013 até dezembro de 2019, o município pagou 12.679 consultas de Médicos Especialistas, distribuídas em 50 especialidades. Além de  40.781 exames distribuídos em 280 tipos. Somente no CIS – Centro Oeste o município já desembolsou R$ 2,5 milhões de reais, sem contabilizar o custo diário do transporte de pacientes.

(Foto: Pixabay)

NEM SÓ DE TRABALHO VIVE O HOMEM

PIXABAY

Quando Gelson Costa e equipe assumiram Candói, em 2013, uma das demandas da comunidade, residente na área urbana, era justamente a necessidade de áreas de lazer para todas idades.
Conforme o prefeito, o maior desafio foi repensar o Projeto Parque do Lago, em 2007, do qual existia apenas um plano de trabalho e sem projetos específicos do departamento de engenharia. O projeto final  entregue à população em 2016 teve mais de  R$ 1,1 milhão de investimentos.
Entretanto, esse foi apenas o começo. Quadras poliesportivas, academias ao ar livre, parques infantis, quadras de areia, entre outras obras saltam em vários pontos da sede e do interior.
O Município também incentivou e promoveu atividades Culturais por meio de várias oficinas. A Banda Municipal Talentos da Terra ganhou incentivos, assim como fomentou anualmente as Cavalgadas e o Festival de Música municipal, o Canta Candói.
A Festa Nacional do Charque promovida a cada dois anos, além de destacar e divulgar o município de Candói, também é sinônimo de lazer e cultura.
O incentivo e implantação das Escolinhas Esportivas nas modalidades de futsal, vôlei e futebol de campo no contra-turno escolar, envolveu mais de 500 crianças e jovens anualmente.

A 'MENINA DOS OLHOS' FOI A EDUCAÇÃO

A educação foi uma das áreas que mais recebeu atenção. Todas as escolas municipais do interior tiveram investimentos. Algumas foram ampliadas e construído muros com o objetivo de manter a segurança dos alunos. No total foram mais de R$ 3,5 milhões.
Também, foi investido na aquisição de novos mobiliários, equipamentos de informática, material escolar pedagógico, uniformes para os alunos, ônibus para o transporte escolar e alimentação escolar, totalizando mais de R$ 7 milhões.
Do mesmo modo, a educação infantil saltou de 100 para 586 vagas com investimentos de R$ 3 milhões. Neste mandato foi construída, também, a primeira escola regime integral. A Escola Municipal Tereza Stavny da Silva recebeu aproximadamente R$ 4,5 milhões em investimentos.
No ano de 2012 o município não concedeu o Avanço Horizontal aos professores, prejudicando a progressão no plano de carreira e os salários dos profissionais do magistério.

(Fotos: Pixabay)

“Quando assumimos o governo e como forma de valorizar os professores municipais e garantir os seus direitos legais pagamos o retroativo referente ao Avanço Horizontal. Foram mais de R$ 106 mil”.
Mas o ponto mais importante no que diz respeito ao Ensino Superior foi a instalação de Instituições de Ensino Superior no Município de Candói. Algumas são Faculdades Particulares como a Faculdade Cidade Verde, a Unicesumar e a Censupeg. Juntas elas ofertam mais de 83 cursos a distância ou Semi Presencial.

Todavia, o destaque vai para a Universidade Federal da Fronteira Sul que se instalou com a oferta de um curso presencial e gratuito na antiga estrutura da Casa Familiar Rural de Candói, na comunidade de Divisa. O curso interdisciplinar em Educação no Campo: Ciências Sociais e Humanas oferta, anualmente, 60 vagas e forma professores na área de Licenciatura.

NO FIM, A REFLEXÃO E O SENTIMENTO
DE QUE PODERIA TER FEITO MAIS

“Em todos os objetivos e metas que estipulamos em nossas vidas, por mais bem executadas, sempre temos a sensação de que poderíamos ter feito melhor ou diferente. Somos todos seres humanos e vivemos constantemente com a sensação da limitação e da imperfeição. Por outro lado, buscamos sempre a perfeição e o melhor resultado possível”.
Entretanto, segundo Gelson Costa, com relação aos mandatos, ele diz que é possível avaliar que houve mais acertos do que erros. Um diagnóstico possível de verificação quando se volta para os dados e resultados na Educação, por exemplo. “Fizemos altos investimentos, construções de escolas e centros de educação infantil elevando o número de vagas de creche para 400% a mais”.
Conforme o prefeito que deixa o mandato neste 31 de dezembro, não é diferente em saneamento básico, na infraestrutura rural e urbana. Além da agricultura fortalecida com mais de 16 programas, parques e praças esportivas foram construídas na zona urbana.
“Também construímos Postos de Saúde, Centros de Educação Infantil, Escola e uma dezenas de estruturas básicas necessárias para o desenvolvimento do município, gerando uma melhor qualidade de vida para a população”.