Assembleia aprova licença-maternidade de 180 dias para servidoras estaduais

As servidoras públicas do Governo do Paraná terão 180 dias de licença-maternidade. A ampliação do benefício de quatro para seis meses, prevista em projeto de lei enviado pelo governador Roberto Requião, foi aprovada por unanimidade na pela Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (6), em segunda discussão. A proposta incluiu a aplicação do benefício às policiais militares e servidoras que forem mães adotivas.
Levantamento do Departamento de Recursos Humanos da Secretaria da Administração e da Previdência mostra uma média de 1,8 mil licenças-maternidade concedidas por ano entre 2006 e 2008 nos quadros do Poder Executivo. Por ser um quadro constituído, em sua maioria, por mulheres, o magistério registra o maior número de licenças.

“A extensão da licença maternidade para seis meses é justa e importante também para nós, professoras”, explica a presidente da APP-Sindicato, Marlei Fernandes de Carvalho. “Após o parto, as servidoras terão um período maior para cuidar da própria saúde e para manter uma relação mais próxima com o recém-nascido.”
“A extensão da licença maternidade é um direito da mãe e da criança. É muito importante para o desenvolvimento da criança que a mãe trabalhadora passe o maior tempo possível com o filho nos primeiros dias de sua vida”, argumenta Marlei.
O líder do PMDB na Assembleia, deputado Waldyr Pugliesi(foto), lembrou que os direitos da mulher começaram a ser discutidos de maneira objetiva na elaboração da Constituição Federal de 1988. “Depois da Carta, houve muitos avanços. Este projeto de Requião é um justo reconhecimento às servidoras estaduais, que a partir de agora terão mais tempo para permanecerem com os filhos recém-nascidos”, diz.
CONTEXTO — “Após ser aprovado, o projeto segue para sanção do governador”, explica o líder do Governo na Assembleia, o deputado Luiz Claudio Romanelli (PMDB).
O projeto de lei incorpora Proposta de Emenda à Constituição da deputada Luciana Rafagnin (PT). Apesar de aprovada em primeiro turno de votação, a proposta acabou arquivada por entendimento dos deputados de que a proposição deveria partir do Governo do Paraná.
Desde o ano passado, as servidoras públicas federais passaram a ter direito à licença maternidade de 180 dias. A partir disso, os estados brasileiros começaram a legislar sobre o tema, para que as funcionárias públicas estaduais também possam se licenciar por seis meses. (AEN)

Relacionadas

MAIS CHUVA

Última semana de janeiro será de tempo instável em Guarapuava

ALERTA

Enxurradas afetam mais de 27 mil pessoas em Prudentópolis

ÚLTIMOS DIAS

Prorrogada inscrição de militares no programa de Colégios Cívico-Militares

Comentários