Centros de Atendimento à Mulher mantêm acolhimentos em todo o Paraná

Em Guarapuava, o CRAM manteve o atendimento durante a pandemia para atender mulheres vítimas de violência doméstica

Os centros estão distribuídos em sete municípios paranaenses (Foto: Aliocha Mauricio/SEDS)

Para auxiliar mulheres vítimas de violência durante o período de isolamento social, os Centros de Referência e Atendimento Especializado à Mulher em Situação de Violência (CRAM) continuam atendendo de forma presencial e por telefone em todas as regiões do Estado. Só no ano de 2020 foram registrados em torno de 9 mil atendimentos. Em Guarapuava, o CRAM manteve o atendimento desde o início da pandemia.

Os centros estão distribuídos por regiões, em oito municípios: Apucarana, Campo Mourão, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Londrina, Maringá, Sarandi e Umuarama, e há uma unidade estadual em Curitiba, vinculada ao Departamento de Garantia dos Direitos da Mulher da Secretaria da Justiça Família e Trabalho.

Dessa maneira, os CRAM prestam acompanhamento psicológico, social e jurídico, e orientam sobre os diferentes serviços disponíveis relacionados à prevenção, apoio e assistência às mulheres em situação de violência, tudo de forma gratuita. Nas cidades que não possuem unidades, o atendimento pode ser feito no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

O secretário estadual da Justiça, Ney Leprevost, salientou a importância dos CRAM, que integram a Rede de Atendimento às Mulheres .“A maioria das mulheres sofre calada, por vergonha, medo ou por não saber a quem pedir ajuda. Os centros prestam todo o atendimento necessário para as mulheres que estão passando por situações diversas de violências, abusos, dentre outros crimes”.

O espaço está adequado e segue todas as medidas sanitárias exigidas de prevenção à covid-19. Para os atendimentos nos outros municípios os locais podem ser acessados AQUI.

DENUNCIE

Em caso de violência doméstica os canais de denúncia são os telefones 180 e 181, que funcionam 24 horas por dia. O portal do Disque Denúncia 181 está em ambiente seguro, com certificação digital, recebendo denúncias anônimas, com garantia de sigilo.

“Sabemos que com a pandemia e com o isolamento social a violência contra a mulher se intensificou. Acreditamos que o agressor está maioria das vezes com a vítima em casa, dificultando todo o processo de denúncias. Precisamos incentivar todas as mulheres que passam por essa situação de violência que não tenham medo e denunciem para que cada vez mais possamos combater e evitar todo e qualquer tipo de crime contra a mulher”, alertou a chefe do Departamento dos Direitos da Mulher, Mara Sperandio.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

MAIS UMA MORTE

Após 28 dias desde os primeiros sintomas, morre 76º paciente

PROST

Quiosque da Brahma surge repaginado no Shopping 'Cidade dos Lagos'

COMEMORAÇÃO

Fernando e Sorocoba no 'Parabéns pra você' em Guarapuava

Comentários