Cresce o índice de doenças sexualmente transmissíveis em Guarapuava

De acordo com o SAE, o HIV e a Sífilis lideram o ranking. Para prevenir, Governo distribui preservativos em Guarapuava e outras cidades do Paraná

Para prevenir, o uso de preservativos ainda é a melhor solução (Foto: ANPr)

O Serviço de Atendimento Especializado (SAE) intensifica a distribuição de preservativos em Guarapuava. Assim, a iniciativa leva em consideração as festas de Carnaval e a prevenção contra as doenças sexualmente transmissíveis. De acordo com o SAE, as IST’s aumentaram na cidade.

O alvo são as cerca de 50 boates existentes na cidade, cerca de 10 motéis e bares. Além de postos de combustíveis localizados na BR-277. Conforme o SAE, a intenção é entregar 30 mil preservativos nesse período.

“A nossa preocupação é que estão aumentando os números de soropositivos em Guarapuava”, disse uma das enfermeiras do SAE ao Portal RSN. Porém, segundo a Vigilância Epidemiológica, somente em 2020 já surgiram sete novos casos, dos quais seis são homens e uma mulher. Entretanto, em 2019 foram 280 casos registrados. A faixa etária de maior incidência gira em torno dos 19 aos 35 anos.

A preocupação também está voltada para incidência de sífilis. No ano passado foram atendidos 158 casos e já nestes primeiros meses de 2020, seis novos pacientes estão sendo atendidos.

NO PARANÁ

A Secretaria de Estado da Saúde intensifica as medidas preventivas para as doenças sexualmente transmissíveis no período do Carnaval. Assim, a meta é a distribuição gratuita de quatro milhões de preservativos masculinos, 90 mil preservativos femininos e 250 mil unidades de gel lubrificante.

A distribuição já ocorreu para as 22 Regionais de Saúde do Estado que agora repassam para todos os municípios. Além da distribuição de preservativos, a Secretaria promove atividades do Verão Maior, na Região Noroeste, por meio da 14ª Regional de Paranavaí e secretarias municipais de Porto Rico, Porto São José e Marilena.

Nos dias de Carnaval (22, 23, 24 e 25), serão feitos testes rápidos para doenças sexualmente transmissíveis nos três locais com praias de água doce e que recebem muitos visitantes. Em Porto Rico a ação será na Casa de Vidro; em São José, no início do Calçadão, e em Marilena na unidade de saúde da orla.

DOENÇAS

De acordo com a chefe da Divisão de Doenças Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria, Mara Franzoloso, as doenças transmitidas por relação sexual são causadas por mais de 30 vírus e bactérias. A contaminação se da por meio do contato, sem o uso de preservativo, com uma pessoa que esteja infectada.

“É importante lembrar também que uma pessoa pode estar infectada por mais de um vírus ao mesmo tempo e que pode contrair uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) várias vezes ao longo da vida”.

Segundo ela, as ISTs podem ainda provocar consequências graves para o organismo, com sequelas para o resto da vida e levar até à morte. “As IST’s aumentam em até 18 vezes a chance de infecção pelo HIV/AIDS, por exemplo”.

DADOS

De 2018 para 2019, o Paraná aponta 19% de redução dos casos de Aids; 22% na mortalidade por Aids, e 75% na mortalidade por Aids em menores de cinco anos. No mesmo período o Estado conseguiu redução de 12% nos casos do HIV.

O Paraná é referência nacional no programa de eliminação da transmissão vertical do HIV, de mãe para filho. Curitiba e Umuarama receberam em 2019 o título de municípios livres da transmissão. Foram as únicas cidades do Brasil a obterem a certificação.

NO MUNDO

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, todos os dias ocorrem cerca de 1 milhão de novas IST’s.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

COMBATE AO CRIME

PRF apreende mais de meia tonelada de maconha em Guarapuava

MAIS UM NOME DIVULGADO

Celso Góes anuncia o novo titular da Secretaria Executiva

PRIMEIRO ESCALÃO

Rita Felchak é a primeira escolha de Celso Góes para o novo mandato

Comentários