Cristina pede liberação de boletim on-line para vítimas de violência

Ferramenta serviria para atender mulheres que sofrem violência doméstica durante a quarentena, exceto em casos de violência sexual, diz Cristina

Deputada Cristina Silvestri, procuradora da Mulher na Alep (Foto: Dálie Felberg/Ascom)

Cristina Silvestri, procuradora da mulher da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), pede que sejam disponibilizados boletins on-line para registros de ocorrências. Seria para casos de violência doméstica, exceto em casos de violência sexual. A demanda apresentada pela procuradoria foi referendado pela bancada feminina da Casa e, também, por outros parlamentares.

Além da Procuradoria da Assembleia, a Defensoria Pública, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça também reforçam a importância da liberação desse modelo de denúncia e confecção de boletins. Conforme a procuradora, o documento está na Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

De acordo com Cristina Silvestri, a medida não anula a possibilidade de denúncias presenciais nas delegacias. “É importante para servir como uma ferramenta a mais de denúncia durante o período de isolamento que estamos vivendo. Alguns estados como São Paulo já colocaram em prática este mesmo procedimento”.

Porém, a proposta não determina que as denúncias sejam feitas exclusivamente pelo site da polícia que poderia continuar recebendo as denúncias presenciais. De acordo com o documento, isso seria, principalmente em casos mais graves e que apresentam ameaça iminente à vida ou integridade física das mulheres.

“Nesta situação de pandemia e isolamento social forçado, precisamos pensar em alternativas para garantir que as mulheres, mesmo com restrições a sair de casa, possam acessar os serviços de proteção e impedir ou denunciar a violência”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

DESTAQUE

Aliel Machado recebe indicação para 'Prêmio Congresso em Foco'

SEGURANÇA

Com ajuda de cães, PM apreende mais de 38 toneladas de maconha

COVID-19

Paraná está entre os 11 estados com alta transparência sobre a covid-19

Comentários