Dólar comercial volta a ser vendido acima de R$ 5,10

O dólar, que na quinta (26) tinha fechado abaixo de R$ 5, subiu e voltou a ser vendido acima de R$ 5,10

Bolsa de valores cai 5,51% em dia tenso (Foto: Agência Brasil)

Depois de três dias de alívio nos pregões globais, o mercado financeiro voltou a ter um dia de nervosismo. A bolsa de valores caiu e voltou a se aproximar dos 70 mil pontos. O dólar, que na quinta (26) tinha fechado abaixo de R$ 5, subiu e voltou a ser vendido acima de R$ 5,10.

O índice Ibovespa, da B3, a Bolsa de Valores brasileira, fechou esta sexta (27) aos 73.429 pontos, com queda de 5,51%. O índice operou em baixa durante todo o dia.

Assim, o dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,107, com alta de R$ 0,111 (+2,22%). Por volta das 16h30, a cotação estava em R$ 5,05, mas subiu nos minutos finais de negociação. A divisa acumula alta de 27,2% em 2020. Diferentemente dos últimos dias, o Banco Central (BC) voltou a intervir no mercado. A autoridade monetária vendeu US$ 1,02 bilhão das reservas internacionais, em dois leilões.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, a bolsa teve um dia de lucros, quando os investidores vendem ações para embolsar ganhos, após três dias seguidos de alta. Além disso, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, caiu 4,06%, mesmo com a aprovação, pelo Congresso norte-americano, de um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões para reativar a maior economia do planeta.

Paralelamente, o Federal Reserve, Banco Central norte-americano, está comprando indefinidamente dívidas corporativas e emprestando recursos diretamente a empresas pelo tempo necessário. Ontem, os países do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo, inclusive o Brasil, comprometeram-se a injetar US$ 5 trilhões na economia global.

PACOTE DE MEDIDAS

Assim, no Brasil, o mercado continua a reagir às medidas para aliviar o impacto da crise do coronavírus, que devem chegar a R$ 700 bilhões nos próximos três meses, segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes. Além disso, apenas a ajuda de R$ 600 para trabalhadores autônomos, aprovada ontem pela Câmara dos Deputados, terá impacto de R$ 45 bilhões no orçamento.

Nos últimos dias, o governo brasileiro anunciou uma ajuda emergencial de R$ 88,2 bilhões para estados e municípios. O Banco Central (BC) liberou R$ 1,2 trilhão na economia, principalmente por meio da redução de compulsórios, dinheiro que os bancos são obrigados a reter no BC. A edição de medidas provisórias para flexibilizar a legislação trabalhista durante a crise alivia a perda do valor de ações de diversas empresas.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

FAKE NEWS

PF cumpre mandados judiciais em investigação sobre fake news

ENSINO SUPERIOR

Prazo para se inscrever no Enem termina nesta quarta (27)

MERCADO FINANCEIRO

Dólar cai e bolsa fecha no maior nível em dois meses

Comentários