Em ato antidemocrático, Bolsonaro diz que não admitirá mais interferência

Manifestantes voltaram a pedir o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, além de defender uma "intervenção militar com Bolsonaro"

Bolsonaro participa de ato antidemocrático e diz que não admitirá mais interferência (Foto: Reprodução/Vídeo G1)

Neste domingo (3), o presidente Jair Bolsonaro voltou a participar de ato pró-intervenção militar e contra Congresso e STF em Brasília. Além disso, cumprimentou apoiadores aglomerados e afirmou que ‘chegamos no limite’ e que ‘não vai admitir mais interferência’.

Conforme o Portal G1 e a Agência Brasil, manifestantes se aglomeraram em frente ao Palácio do Planalto para pedir o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Eles [manifestantes] ainda defenderam uma “intervenção militar com Bolsonaro”.

Tais atos fazem apologia contra a democracia e, portanto, são ilegais e inconstitucionais. Os manifestantes ainda criticaram o ex-ministro da Justiça Sergio Moro. O ex-juiz era tido como herói nacional pelos mesmos apoiadores, antes da saída do governo e principalmente durante a Operação Lava-Jato.

Sem máscara, Jair Bolsonaro cumprimentou o grupo e ajudou a estender uma bandeira na rampa do Planalto. De acordo com autoridades – que reagiram ao fato de um presidente participar de um protesto contra o STF e o Congresso -, Bolsonaro ataca dois pilares do sistema democrático.

CARREATA

A manifestação começou com uma carreata na Esplanada dos Ministérios e terminou com aglomeração na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto. O presidente Jair Bolsonaro foi ao local acompanhado da filha e não usava máscara. A participação dele foi transmitida ao vivo, pelas redes sociais.

Mesmo sem citar diretamente a decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes, que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal, Bolsonaro disse que “não vai mais admitir interferências”.

Nós queremos o melhor para o nosso país. Queremos a independência verdadeira dos três poderes e não apenas uma letra da Constituição, não queremos isso. Chega interferência. Não vamos admitir mais interferência. Acabou a paciência. Vamos levar esse Brasil para frente.

Entretanto, a decisão do ministro Alexandre de Moraes se baseou em análise prévia de provas que indicaria que a nomeação de Ramagem representava um desvio de finalidade. Ou seja, o objetivo era interferir em investigações da Polícia Federal.

No discurso, Bolsonaro disse que as Forças Armadas estão com ele e que “chegou ao limite”, que “não tem mais conversa’ – sem explicitar o que isso significa. Ele também não disse o que pretende fazer caso haja novas decisões judiciais sobre atos da presidência da República considerados ilegais.

“Vocês sabem que o povo está conosco, as Forças Armadas – ao lado da lei, da ordem, da democracia e da liberdade – também estão ao nosso lado, e Deus acima de tudo”.

Além disso, Bolsonaro disse que nomeia nesta segunda (4), o novo diretor da Polícia Federal.

Vamos tocar o barco. Peço a Deus que não tenhamos problemas nessa semana. Porque chegamos no limite, não tem mais conversa. Tá ok? Daqui para frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição. Ela será cumprida a qualquer preço. E ela tem dupla-mão. Não é de uma mão de um lado só não. Amanhã nomeamos novo diretor da PF.

Ao longo da manifestação, Bolsonaro interagiu com os manifestantes. Em vários momentos ele desceu, deu as mãos e cumprimentou as pessoas. Pegou no colo, uma criança que estava com a máscara no queixo. Ao lado do presidente estavam deputados federais. Entre eles, o filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O presidente voltou a criticar o isolamento e medidas restritivas adotadas por governos locais, uma orientação que é dada pelos órgãos internacionais de saúde, em relação à pandemia do coronavírus.

REAÇÃO

Políticos e entidades reagiram neste domingo (3) à participação do presidente Jair Bolsonaro em mais um ato com pautas antidemocráticas e inconstitucionais. O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz disse que os limites que existem são os da Constituição, e valem para todos, inclusive e sobretudo para o presidente.

“A única paciência que chegou ao fim, legitimamente e com razão, é a paciência da sociedade com um governante que negligencia suas obrigações, incita o caos e a desordem, em meio a uma crise sanitária e econômica”.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES),  afirmou: “As Forças Armadas, enquanto instituição de Estado compromissada com a Constituição, precisam fazer um gesto que deixe claro que não compactuam com as bravatas autoritárias do inquilino passageiro do Planalto!”

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), “a sanha criminosa de Bolsonaro não tem limites!”, ao citar que Bolsonaro voltou a incentivar e a promover aglomerações. “Ele continua atentando contra as instituições e a saúde pública no momento em que as mortes por covid-19 batem recorde no país. Acionaremos a justiça contra essa escalada genocida!”

Já o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), afirmou que o que aconteceu neste domingo foi muito grave.

Bolsonaro não consegue fazer uma fala de harmonia, não consegue chamar para o trabalho conjunto. Alimenta ódio, alimenta aglomerações, age contrário a todas as orientações dos profissionais de saúde e contra todas as orientações dos próprios presidentes de outros países. É o cúmulo da irresponsabilidade, sem dúvida alguma, chegou ao limite máximo do que não pode fazer um presidente da República.

IMPRENSA

Enquanto Bolsonaro conversava com manifestantes, parte do grupo hostilizou jornalistas e fotógrafos que acompanhavam o ato. Por fim, a Polícia Militar montou um cordão de isolamento improvisado para evitar as agressões. Entidades representativas de classe e da imprensa se manifestaram. Ironicamente, no dia 3 de maio é celebrado o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) publicou uma noticia-manifesto sobre o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. E lembrou do ocorrido em Brasília.

“Lá citamos o levantamento das agressões do ano e os casos ocorridos dia 1 e 2. Nossa posição é de condenação a toda e qualquer agressão a jornalistas. Hoje foram dois repórteres fotográficos agredidos em Brasília. Repudiamos todas elas e pedimos o apoio da sociedade ao jornalismo e aos jornalistas.”

VEJA A NOTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA (ABI)

Em nota, Cid Benjamim, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa da ABI, se solidarizou com os profissionais agredidos durante a manifestação.

“Hoje, 3 de maio, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, ironicamente, mais uma vez jornalistas e profissionais de imprensa no Brasil sofreram agressões verbais e físicas por parte de seguidores do presidente Jair Bolsonaro. Em Brasília, manifestantes agrediram com chutes, murros e empurrões profissionais do jornal ‘O Estado de São Paulo’.

O fotógrafo Dida Sampaio registrava imagens do presidente em frente à rampa do Palácio do Planalto, em uma pequena escada na área restrita para a imprensa, quando foi empurrado por manifestantes, que lhe desferiram chutes e murros. O motorista do jornal, Marcos Pereira, levou uma rasteira. Os profissionais deixaram o local escoltados pela PM. Repórteres foram insultados.

Esses atos violentos são mais graves porque não há, de parte do presidente ou de autoridades do governo, qualquer condenação a eles. Pelo contrário, é o próprio presidente e seus ministros que incitam as agressões contra a imprensa e seus profissionais.

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) se solidariza com os agredidos e mais uma vez protesta e chama a atenção da sociedade brasileira para a perigosa escalada da agressividade e da violência dos seguidores do presidente Bolsonaro, não só em relação a profissionais de imprensa como a autoridades da República e opositores. Cid Benjamim, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa da ABI”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

*(Com informações da Agência Brasil e Portal G1)

Relacionadas

CAMPANHA

Campanha das eleições municipais começa neste domingo (27)

FOTOGRAFIA

Estudantes têm até 1º de outubro para inserir foto no cadastro do Enem

VOLTA AO TRABALHO

Após reuniões sindicais, greve dos Correios acaba oficialmente

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com