Equipes paranaenses de resgate estão preparadas para ajudar o Haiti

Curitiba – O governador Roberto Requião anunciou, na manhã desta quarta-feira (13), em Brasília, que ofereceu ao Ministério de Relações Exteriores e à Secretaria Nacional de Defesa Civil as estruturas do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil paranaenses, para ajudar no resgate de vítimas e na recuperação de Porto Príncipe, no Haiti. A cidade foi atingida por um terremoto de 7 graus, na escala Richter, na terça-feira (12).
“Colocamos à disposição equipes preparadas, treinadas e dispostas para ajudar o Haiti a superar essa tragédia terrível”, disse o governador Requião. O terremoto matou a fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, e quatro militares brasileiros.
A ordem do governador foi dada diretamente ao secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, e ao secretário-chefe da Casa Militar e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel Washington Alves da Rosa. “Nossos homens e mulheres do Corpo de Bombeiros estão à disposição e preparados para amenizar os efeitos desta tragédia que deixou todos chocados”, disse Delazari.

ESTRUTURA – “Nosso pessoal possui vasto conhecimento e treinamento para atuar nesse tipo de operação. Além disso, temos cães treinados no resgate e busca de pessoas soterradas. Apenas esperamos a convocação do Governo Federal para enviar nossa equipe”, afirmou coronel Washington.
Segundo o major Samuel Prestes, comandante do Grupo de Operações de Socorro Tático da Defesa Civil do Paraná (Gost), a tropa já está de prontidão para composição da força-tarefa nacional. Além dos homens treinados, todos os equipamentos eletrônicos de captação de sons e detecção de vítimas também já estão separados caso a ajuda seja requisitada pelo Governo Federal. Também podem participar do grupo de resgate, policiais militares da Companhia de Choque, treinados para esse tipo de ocorrência.
De acordo com o comandante, os homens que compõem o Gost são especializados em “buscas em estruturas colapsadas”, com curso no International Urban Search and Rescue Agency, nos Estados Unidos, e também Força Aérea Brasileira. Essas equipes já atuaram no resgate de vítimas de alagamentos de Santa Catarina, em 2008, e também do rompimento da barragem de Algodões, em maio do ano passado, no Piauí.

AEN

Relacionadas

PARALISAÇÃO

Volta às aulas mobiliza sindicato para greve também na Região

VACINA DA COVID-19

Aliel cobra explicações sobre quantidade de vacinas destinadas ao PR

NOVA MEDIDA

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

Comentários