Estiagem ‘quebra’ a produção agropecuária em Prudentópolis em até 40%

Adelmo Klosowski decreta estado de emergência. Prudentópolis tem 44 localidades pelo interior e não possui caminhão-pipa para o abastecimento de água

Estiagem ‘quebra’ a produção agropecuária em Prudentópolis em até 40% (Foto: SEAB)

A estiagem provoca quebra na produção agrícola, principalmente, em Prudentópolis, a maioria da agricultura familiar. Por isso, o prefeito Adelmo Klosowski decretou estado de emergência, nesta sexta (15). Além das lavouras, a seca prejudica o consumo humano e de animais.

Com cerca de 744 localidades espalhadas pelo interior, algumas com até 70 quilômetros de distância da sede, o abastecimento nessas comunidades não está sendo possível. De acordo com Adelmo, a prefeitura não possui caminhão-pipa para o transbordo de água potável.

Município maior produtor de feijão preto do país, Prudentópolis estima uma quebra de 40% na produção. De acordo com o Departamento de Economia Rural, da Secretaria de Estado da Agricultura (Deral), a área plantada é de 12,4 hectares, num universo de 30,8 hectares cultivados nos 10 municípios da Região da Seab.

Conforme o Deral, outra cultura que está sendo prejudicada é a do milho safrinha. Segundo o técnico Manfio Prudentópolis cultiva 4,5 hectares e é o maior produtor da Região da Seab/Guarapuava. “Isso equivale a 68% da produção regional de milho safrinha”. Todavia, a quebra prevista é de 20% por causa da falta de chuva.

Responsável também pela produção de maracujá, neste ano, numa área de 90 hectares, no município a perda também será significativa. Embora o município já tenha plantado 300 hectares da fruta, apesar da redução de área, ainda continua responsável por um dos maiores cultivos do país.

DÉFICIT

Prudentópolis, segundo o prefeito Adelmo Klosowski, está sem chuva há cerca de seis meses. “No trimestre, entre fevereiro e abril deste ano, a anomalia de precipitação atingiu todo o Paraná de forma generalizada. Há locais com até 90% de déficit. Em Prudentópolis estamos com aproximadamente 55% de déficit”.

De acordo com Manfio, os prejuízos vão além da perda de produtividade das lavouras. “Na estiagem o gado não dá leite e não engorda”. Além da cadeia agropecuária, a preocupação do prefeito é, principalmente, com a população. “Estamos passando por uma pandemia, e a higiene básica é fundamental para o controle do contágio. Porém, nem isso está sendo possível já que não há água disponível nas residências”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

BOA SAFRA

Safra de verão deve colher 16.700 quilos de grãos por hectare

OBRIGATÓRIO

Adapar alerta produtores sobre prazos para atualizar rebanhos no PR

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Guarapuava será a 1ª cidade do país a ter 'app' com prêmio internacional

Comentários