Greve geral terá atos durante toda a sexta (14) em Guarapuava e Irati

Perdas salariais e reposição da inflação estão entre as pautas da paralisação

(Foto: Reprodução/Sintesu)

O Sindicato dos Docentes e Agentes Universitários da Unicentro (Sintesu) divulgou na última sexta (7), a aprovação do estado de greve, após assembleia pela reposição da inflação. A paralisação, que será nesta sexta (14), foi aprovada por unanimidade.

As lideranças dos sindicatos que representam servidores públicos e compõem o Fórum das Entidades Sindicais do Paraná (FES), tomaram a decisão em resposta a postura do governo que ainda não anunciou o pagamento da reposição salarial do funcionalismo.

Servidores do Sintesu, Sindicato dos Docentes da Unicentro (Adunicentro), Sindicato dos Servidores Públicos e Profissionais de Guarapuava (Sisppmug) e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP) se únem em manifestação conjunta a partir das 8h30, na Praça 9 de Dezembro.

A orientação do Sintesu é de que “docentes e agentes universitários não devem trabalhar e registrar ponto e, na medida do possível, participar dos atos em suas cidades”. A programação não tem horário previsto para terminar. Às 11h30 os trabalhadores devem sair em passeata pelo Centro de Guarapuava. A partir das 15h ocorre um sarau na Unicentro, campus Cedeteg. E o último ato previsto será uma roda de conversa, que deve começar às 20h, no Jardim de Inverno, do campus Santa Cruz.

Em Irati as atividades começam às 11h30 com panfletagem e conversa com a população em alguns pontos da cidade: Supermercado Cavalin e Super New; Rio Bonito (UBS); Gutierrez e Riozinho (entrada da Unicentro). A partir das 17h30 está prevista uma vigília em defesa dos direitos sociais. O sindicato orientou que todos devem estar de preto na rua da Cidadania.

SISSPIMUG

Em nota, o sindicato orientou os grevistas a se concentrarem a partir das 8h30 também na Praça 9 de Dezembro em Guarapuava. Após pausa para o almoço, a partir das 13h o funcionalismo público municipal, que pede reposição de 4%, deve seguir em passeata até o Paço Municipal.

(Foto: Leitor/RSN)

A paralisação foi decida em uma assembleia, nessa terça (11) que discutiu sobre a negativa da administração municipal em recompor os salários dos servidores do quadro geral, saúde e Fundação Proteger.

Ainda de acordo com o SISPPMUG, foi encaminhado ao Executivo Municipal, propostas de corte de gastos na folha de pagamento da prefeitura para que seja concedida a recomposição da inflação do período aos servidores. Além disso, segundo o sindicato, foi enviada uma proposta para implantação do vale alimentação, benefício indenizatório, para subsidiar a alimentação dos servidores. Todas as entidades afirmam que a paralisação é em ‘defesa da educação’.

SEGURANÇA PÚBLICA

De acordo com do Sindicato dos Agentes Penitenciário do Paraná (Sindarspen), agentes penitenciários, policiais civis, peritos e familiares de policiais militares e bombeiros também paralisam as atividades nesta sexta, às 9h, em frente ao Palácio Iguaçu em Curitiba, para protestar contra o congelamento da data-base dos servidores públicos do Poder Executivo estadual. O ato será juntamente com o do Fórum de Entidades Sindicais (FES), que reúne 22 sindicatos de servidores estaduais do Paraná.

Desde 2016, os trabalhadores já acumulam mais 17% de perda salarial em decorrência dos sucessivos calotes do governo do estado. As lideranças sindicais reivindicam o pagamento imediato de 4,98% de reposição da inflação dos últimos 12 meses e de mais 1% em outubro e 1% em dezembro, com negociação posterior para o pagamento dos atrasados.

O ato está sendo chamado por 12 entidades representativas dos trabalhadores da segurança pública: Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), Sindicato dos Delegados da Polícia Civil do PR (Sidepol/PR), Sindicato das Classes Policiais do Paraná (Sinclapol), Sindicato dos Policiais Civis de Londrina e Região (Sindipol), Associação da Vila Militar (AVM), Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do PR (Sinpoapar), Associação de Praças do Estado do Paraná (Apra), Associação dos Delegados de Polícia do Estado (Adepol/PR), União Polícia Civil (UPC), Associação dos Policiais Militares (AMAI), Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná (Assofepar) e União das Polícias do Brasil-Paraná (UPB/PR).

Relacionadas

CRIME AMBIENTAL

Aplicação de inseticida mata abelhas em comunidade em Turvo

AJUDA URGENTE

'Vidas por Vidas' faz rifa solidária para não fechar as portas

TURISMO RELIGIOSO

Caminho da fé: estações da Via Sacra estão em fase final de construção

Comentários