Guarapuavanas discutem formação de Rede de Atenção à Mulher Encarcerada

De acordo com o Conselho da Comunidade, 46 mulheres estão presas em Guarapuava atualmente. A Rede trabalhará com a ressocialização das encarceradas

(Foto: Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Guarapuava – CMDMG)

O Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Guarapuava (CMDMG) organizou uma reunião para discutir a formação de uma Rede de Atenção à Mulher Encarcerada de Guarapuava. Na manhã de ontem (20), os membros do Conselho se reuniram na Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, para conversar com pessoas que atuam ou atuaram de alguma forma em projetos voltados às mulheres, tanto para geração de renda, como para apoio psicológico, social e jurídico.

“Temos pensado em políticas públicas para essas mulheres encarceradas pois esse é um eixo de debate dentro do plano municipal. Buscamos propor estratégias para o enfrentamento da reincidência criminal de mulheres guarapuavanas”, explicou a presidenta do CMDMG, Adriele Inacio.

A assistente social do Conselho da Comunidade, Jucimara Garcia, faz o atendimento da carceragem feminina toda sexta feira, auxiliando em ações como procedimentos de saúde, contato com familiares, atendimento aos filhos das detentas e informações sobre os processos jurídicos das mesmas.

Além disso, temos o projeto Florescer Mulher, que organiza ações socioeducativas mensais para que as mulheres presas possam sair da cadeia com uma perspectiva melhor de seguir suas vidas. São dadas instruções para a geração de renda e enfrentamento à violências, por exemplo.

De acordo com o Conselho da Comunidade, 46 mulheres estão presas em Guarapuava atualmente, entre medidas provisórias e sentenciadas. A Rede de Atenção deve fortalecer essas ações já existentes e promover ainda mais medidas, de forma intersetorial, nas quais cada órgão ou instituição, com suas especificidades, trabalhará de forma conjunta para a assistência das encarceradas.

“A Defensoria Pública, a Escola Estadual Nova Visão, o Conselho da Comunidade, o Patronato, a Secretaria da Mulher e o Centro de Referencia de Atendimento às Mulheres (CRAM) se reuniram para discutir o processo de ressocialização das mulheres encarceradas, pensando em um projeto de vida para quando saírem da cadeia”, disse a presidenta CMDMG.

(Foto: Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Guarapuava – CMDMG)

A reunião de ontem (20) também contou com uma palestra da Profª Drª Renata Caleffi, sobre a participação da mulher na política. A professora fez um histórico sobre a presença feminina no cenário político, que apesar de ter avanços, ainda é muito incipiente em relação à participação masculina no poder público.

Na próxima segunda (25), o Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Guarapuava pretende participar da sessão da Câmara de Vereadores para explicar algumas propostas discutidas na reunião, para buscar o apoio dos parlamentares nas ações a serem desenvolvidas para que as mulheres encarceradas sejam melhor amparadas.

Relacionadas

MERCADO DE TRABALHO

Paraná é o estado que mais empregou pela Agência do Trabalhador

CONVERSA ON-LINE

MIS-PR promove conversa comemorando o dia do patrimônio audiovisual

BOA AÇÃO

Grupo 'Duelo do Bem' começa as reformas no hospital Santa Tereza

Comentários