Manifestantes deixam a Alep, mas iniciam vigília e greve de fome

Professores e outros profissionais do magistério protestam contra abertura de edital e ocuparam a Alep nessa quarta (18)

Manifestantes deixam a Alep, mas iniciam vigília e greve de fome  (Foto: APP-Sindicato)

Após ignorarem ordem judicial para deixar o Plenarinho da Assembleia na madrugada, professores e funcionários voltaram atrás. Na manhã desta quinta (19), os manifestantes deixaram o local. Entretanto, segundo a APP-Sindicato, eles iniciaram vigília e greve de fome. De acordo com o movimento, a manifestação se posiciona contra a abertura do edital no sistema PSS – Processo Seletivo Simplificado.

Antes, porém, por volta das 10 horas, um dos acessos da Alep também foi cercado. O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSBD), afirmou que a ocupação é arbitrária e uma afronta aos Poderes constituídos. “Eu entendo que decisão de justiça tem que ser cumprida. Eles não estão mais desrespeitando só o Poder Legislativo. Estão desrespeitando a Justiça. Deixando de cumprir uma determinação de um juiz que arbitrou uma multa de R$ 30 mil dia caso permaneçam aqui no prédio”.

Deputado Ademar Traiano, presidente da Alep (Foto: Divulgação)

Conforme Traiano, a Mesa Executiva mantém aberto o diálogo na busca por uma solução para o impasse. “Nós não vamos usar a força. Jamais. Mas a segurança da estrutura do prédio e dos servidores da Casa deve ser mantida. Por isso contamos com o apoio de policiais para dar essa segurança. Mas não iremos afrontá-los”.

REIVINDICAÇÕES

Nas reivindicações dos profissionais do magistério, está a revogação do edital da Secretaria de Educação. Esse edital trata do Processo Seletivo Simplificado para contratação de temporários. Entretanto, segundo Traiano, trata-se de uma decisão exclusiva do Poder Executivo e não está em debate na Casa de Leis.

“Não há uma pauta sendo discutida aqui nesta Casa em relação ao que eles estão pretendendo. Havia aqui o apoio de praticamente todos os deputados, mas perderam. Quando você toma uma inciativa de invasão, de agressão, de afronta, você perde o direito”.

VEREADORA SE SOLIDARIZA

Em Guarapuava, a vereadora reeleita, Terezinha Daiprai (PT) se solidaria com os manifestantes. Terezinha, que é professora, preside a APP-Sindicato regional de Guarapuava. Por fim, em redes sociais, a vereadora se refere ao momento como “desumano e de injustiça contra os professores”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

RESIS

Professores entram no oitavo dia de greve de fome em Curitiba

NOVO CAGED

Guarapuava tem saldo de empregos positivo pelo 5º mês consecutivo

DOE SANGUE

Dia do Doador de Sangue reforça a importância de ajudar a salvar vidas

Comentários