Neste 31 de maio, Saúde alerta para riscos da Covid-19 em fumantes

De acordo com Sesa, o tabagismo é um dos fatores que contribuem para evolução de quadros mais graves e mortes pela covid-19

Neste 31 de maio, Saúde alerta para riscos da Covid-19 em fumantes (Foto: AEN)

A Secretaria de Estado da Saúde reforça neste domingo (31), Dia Mundial sem Tabaco, que os fumantes apresentam maior risco de contrair infecção pelo novo coronavírus. Isso porque o tabagismo é fator que contribui para evolução de quadros mais graves e mortes pela doença.

A data foi criada há 33 anos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para intensificar as ações sobre doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina, substância presente nos produtos à base de tabaco.

Por isso, é importante fator de risco para o desenvolvimento de vários tipos de câncer, acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos. Além disso, também está associado a outras doenças crônicas como tuberculose, infecções respiratórias e úlcera gastrintestinal. E ainda, infertilidade em mulheres e homens, osteoporose e catarata.

NOTA ORIENTATIVA

Diante da pandemia da Covid-19, a Secretaria Estadual da Saúde divulgou Nota Orientativa. O documento ressalta os riscos do tabagismo e do uso e compartilhamento do narguilé para a infecção pelo novo coronavírus. Além disso, a nota informa que “entre os pacientes chineses diagnosticados com pneumonia associada ao coronavírus, as chances de progressão da doença foram 14 vezes maiores entre as pessoas com histórico de tabagismo”.

O Paraná foi o primeiro estado a inserir o tabagismo na notificação de casos suspeitos de Covid-19 como condição de risco para as complicações pela doença. De acordo com o secretário Beto Preto, isso demonstra a atenção da secretaria estadual com o tabagismo e que o momento é de sensibilização junto à população sobre os malefícios do tabaco.

“Quem fuma tem mais chances de adoecer e ainda dissemina o tabagismo passivo, que é a exposição à inalação da fumaça tóxica por pessoas próximas, além dos danos provocados ao meio ambiente”.

(Imagem: AEN)

Segundo a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes, fumar é um facilitador para o desenvolvimento de quadros de doenças pulmonares.

“Além disso, é preciso salientar o fator de transmissão do coronavírus como, por exemplo, ao compartilhar o fumo do narguilé, que normalmente é uma ação feita em grupos e coloca os usuários em risco de contaminação. Inclusive por outras doenças infectocontagiosas como tuberculose e hepatites virais”.

Ela complementa que outros fatores também possibilitam a contaminação, como o preparo manual do narguilé e a umidade da fumaça, que promove a sobrevivência de micro-organismos. “Por isso o nosso alerta. Estabelecimentos públicos, como cafés, bares, restaurantes e outros, sem exceções, têm responsabilidade em coibir o uso do narguilé”.

EM NÚMEROS

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) informa que no Brasil estima-se que 438 pessoas morrem por dia em decorrência do consumo do tabaco. Estudo do Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), promovido em 2019 nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, com um universo de 52.443 entrevistas, apontou 9,8% de fumantes. O índice é 0,5% mais alto que o apurado em 2018.

Em Curitiba, a mesma pesquisa entrevistou 2.058 pessoas – 12% dos homens e 11% das mulheres declararam-se fumantes. É a terceira capital do País com a maior incidência de mulheres fumantes.

RECOMENDAÇÃO

Desde o início do período de pandemia, a Secretaria Estadual da Saúde recomenda a suspensão das ações de tratamento para novos grupos de cessação do tabagismo. A suspensão é para evitar o encontro de pessoas e a exposição do paciente nas unidades de saúde. Isso porque há grande possibilidade desses ambientes receberem pessoas com quadros compatíveis com a infecção pelo coronavírus.

A Sesa também publicou e atualizou Nota Orientativa recomendando que as equipes do Programa de Cessação do Tabagismo priorizem os atendimentos a distância. A premissa é garantir a segurança dos profissionais e do público.

Conforme a coordenadora de Promoção da Saúde, Elaine Oliveira, é sugerido que os profissionais que tratam tabagistas também organizem os contatos de pacientes que estão aguardando. “Com isso, garantindo o direito ao tratamento logo que for superado este período crítico da Covid-19”.

De acordo com a coordenadora, a disponibilização dos medicamentos para o tratamento da cessação do tabagismo deve ocorrer apenas para as pessoas que estejam em tratamento por meio de abordagem cognitivo-comportamental associada.

Por fim, no Paraná, 277 municípios oferecem o Programa de Cessação do Tabagismo. Assim, no ano passado, 12.231 usuários foram atendidos pelo programa em todo o Estado.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

MEIO AMBIENTE

Audiência pública apresenta sugestões sobre resíduos sólidos dia 30/09

UTILIDADE PÚBLICA

Energisa divulga desligamento programado para Guarapuava

NOVA FILIAL

Zero Resíduos expande operações para cidade de Guarapuava

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com