O “rosto” de Camila é apenas uma das lembranças da violência

O crescente número de casos de violência contra a mulher acende um alerta para que a sociedade denuncie e não se torne cúmplice desses crimes

Camila Aparecida Ferreira tinha 22 anos e foi morta com golpes de canivete (Foto: Reprodução/Facebook)

Entre os muitos casos de violência doméstica relatados diariamente pela Polícia Militar de Guarapuava, um deles chama atenção. O motivo é simples e objetivo, a situação teve um “rosto”. A morte de Camila, em 18 de setembro do ano passado, se materializou quando vimos que as vítimas da violência também são também as famílias, aquelas que são obrigadas a continuar as vidas sem um pedaço muito importante.

A jovem Camila tinha apenas 22 anos e foi morta e abandonada às margens de uma rodovia nas redondezas de Guarapuava, pelo homem que ela amava. Passados nove meses do crime, talvez o “rosto de Camila” já tenha caído no esquecimento. Mas é preciso relembrar casos tristes como esse, para que outras mulheres não sejam vítimas dos companheiros, e fiquem sem “rosto”. Além disso, já se foi a época em que em briga de marido e mulher não se bota a colher. A omissão de quem sabe, vê ou ouve casos de violência contra mulheres e nada faz, o torna cúmplice do criminoso.

MOBILIZAÇÃO CONTRA A VIOLÊNCIA

O aumento de casos de violência doméstica tem pautado muitas discussões em toda a sociedade. O Senado aprovou, em 8 de julho, o substitutivo ao Projeto de Lei (PL) 2.510/2020, que obriga moradores e síndicos de condomínios a informarem casos de violência doméstica às autoridades competentes.

No Paraná, o Governo aderiu à Campanha Nacional do Sinal Vermelho para o enfrentamento da violência doméstica. Desse modo, com um “X” em vermelho na palma da mão, feito com caneta ou até mesmo um batom, a mulher que sofre violência pode alertar os atendentes das redes de farmácias participantes da campanha de que é uma vítima e precisa de ajuda. Desse modo, eles devem ligar imediatamente para o 190.

ALÔ VIZINHA

Ao completar 100 dias desde o enfrentamento da pandemia de covid-19 em Guarapuava, uma luz de alerta acendeu. Depois de vários registros de denúncias de mulheres vítimas da violência na cidade, uma ação foi viabilizada. Por isso, a Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres de Guarapuava deu início neste mês, a uma campanha que busca conscientizar tanto as vítimas de violência contra a mulher, quanto aqueles que estão próximos e podem ajudar, principalmente, em meio a pandemia e tempos de distanciamento social: os vizinhos.

Assim, até o fim de julho, a expectativa é de que a ação irá percorra cerca de 200 edifícios na cidade para alertar a vizinhança sobre os sinais da violência doméstica. Por fim, a epidemia não é apenas de doenças contagiosas, e não mata apenas desconhecidos. Denuncie! Ligue 181.

Relacionadas

COVID-19

Alerta epidemiológico crítico em Guarapuava chega ao fim nesta terça (4)

ENTRETENIMENTO

Shopping Cidade dos Lagos recebe Marcos Piangers para live beneficente de Dia dos Pais

MELHORIAS

Paranacidade beneficia 28 cidades da Região de Guarapuava

Comentários