Odir recupera certidão negativa e concede reajuste ao funcionalismo em Pinhão

Certidão negativa permitirá convênios de R$ 4 milhões para melhorias na cidade e no interior

*Reportagem com vídeo/Ascom

Prefeito Odir Gotardo (Foto: Ascom)

O prefeito de Pinhão, Odir Gotardo (PT), anunciou na manhã desta quarta (19), a concessão do reajuste salarial para os servidores municipais.  O comunicado foi feito aos representantes do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Pinhão (SIMFUPI) em reunião no gabinete do prefeito. O reajuste no salário dos servidores será de 3,75% a partir do dia 1º de julho.

O prefeito está cumprindo o compromisso assumido com o funcionalismo durante rodada de negociação que finalizou a greve iniciada em 31 de maio e que durou até 5 de junho. Embora reconhecesse o direito da reivindicação feita pelos servidores municipais, Odir estava impedido de atender a categoria por estar acima do limite prudencial de gastos com a folha de pagamento, que é de 54% do orçamento. O município estava com 54,4%.

No acordo o Sindicato deu até 14 de junho para que o prefeito atendesse a demanda, condicionada à recuperação da certidão negativa do TCE. Na noite dessa terça (18), o município recebeu a informação do TC de que havia atingido esse objetivo. Com a certidão negativa em mãos, o prefeito poderá concretizar a assinatura de convênios num total de R$ 4 milhões para obras de pavimentação asfáltica em ruas da cidades, entre outras melhorias.

“Estamos cumprindo aquilo que sempre falamos, ou seja, garantimos o reajuste dos servidores e agora, com certidão recuperada, vamos trabalhar para consolidar convênios e receber recursos que possibilitarão investimentos em benefícios de toda a comunidade”. Assista abaixo o vídeo do prefeito falando sobre o reajuste ao funcionalismo.

 

Relacionadas

MAIS UM NOME DIVULGADO

Celso Góes anuncia o novo titular da Secretaria Executiva

PRIMEIRO ESCALÃO

Rita Felchak é a primeira escolha de Celso Góes para o novo mandato

SUGESTÃO

Deputados pedem suspensão das provas do PSS do magistério

Comentários