Paraná é o Estado que tem maior remanescente da Mata Atlântica

As ações de fiscalização e monitoramento têm objetivo de transformar o bioma da Mata Atlântica no 'coração da grande reserva'

Paraná é o Estado que tem maior remanescente da Mata Atlântica (Foto: Denis Ferreira Netto/SEDEST)

Com quase 6 milhões de hectares preservados, o Paraná é o Estado brasileiro que apresenta maior remanescente da Mata Atlântica, considerando os estágios inicial, médio e avançado. Para preservar um dos mais importantes biomas brasileiros, o governo inova na gestão do meio ambiente.

Entre as ações para impedir o desmatamento, em 2019 gerou o maior número de autuação registrado em 10 anos e distribuiu quase dois milhões de mudas. Simultaneamente às ações de fiscalização e monitoramento, o governo faz plantio de sementes, por meio de programas desenvolvidos pelos institutos que integram a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

De acordo com a Agência Estadual de Notícias, o trabalho faz parte da meta governamental de promover o crescimento econômico com sustentabilidade. Assim, entre janeiro de 2019 e março desse ano, viveiros florestais do Estado produziram mais de 90 espécies nativas e distribuíram 1,7 milhão de mudas.

Conforme o secretário Marcio Nunes, o objetivo é consolidar o bioma como nicho da biodiversidade na Região. “Temos o Programa Paraná Mais Verde, uma importante iniciativa desse Governo no sentido de despertar a consciência ambiental no paranaense. Agora, vamos consolidar a nossa Mata Atlântica como o ‘grande coração’ da reserva. Transformar em mais um importante destino turístico e campo de pesquisa”.

(Foto: Denis Ferreira Netto/SEDEST)

CORAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA

O presidente do Instituto Água e Terra, Everton de Souza, reforçou que a preservação do patrimônio natural paranaense proporciona consolidar como o ‘coração da grande reserva da mata atlântica’, objeto de pesquisa, lazer e esportes.

“Tornar essa preservação um ativo para ser usado como geração de renda. O aproveitamento de remanescentes que temos pode fomentar o surgimento de novos atrativos, em objetos de visitações para observadores de pássaros, fauna em geral e da flora, assim como para a prática de esportes da natureza. Uma série de atividades que pode orbitar nesse imenso patrimônio que temos preservado no Paraná”.

PROGRAMAS

Os convênios e parcerias que encartam ações de preservação e recuperação são ferramentas para o desenvolvimento de projetos e programas que reforçam o compromisso com a biodiversidade.

O Estado tem 19 viveiros florestais e dois laboratórios de sementes que produzem mudas de mais de 90 espécies nativas. Foram distribuídas 1.670.000 mudas para atendimento da regularização ambiental dos imóveis rurais (APP e Reserva Legal). Assim, são condicionantes de licenciamento, os reflorestamentos, reposição florestal obrigatória, cortinas vegetais e ações voluntárias, como Dia da Árvore (Programa Paraná Mais Verde).

A maioria das árvores foi para atendimento de regularização ambiental de imóveis rurais, medidas condicionantes de licenciamento ambiental na zona rural. Devido ao processo de regularização fundiária implementado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, o desmatamento em áreas passíveis de litigio por posse são cada vez menos frequentes.

Um projeto de recuperação de nascentes e rios em parcerias com os municípios, como Projeto Águas da Serra, da PM Guarapuava, tem como objetivo a recuperação das Áreas de Preservação Permanente e produção de água.

(Foto: José Fernando Ogura/ANPr)

FISCALIZAÇÃO

Por meio de convênio firmado com a Força Verde e da atuação dos fiscais do quadro próprio da Secretaria, as ações de combate ao desmatamento ilegal resultaram na aplicação do maior volume de multas, nessa gestão. Só em 2019, ano que começou o novo governo, teve o maior número de autos de infração. Foram aplicadas 1.040 multas que somam R$ 11,3 milhões. Nos últimos 10 anos, foram apenas duas mil autuações.

A cada árvore isolada derrubada, 10 outras devem ser plantadas. Em caso de corte para utilidade pública, essa área deve ser compensada em outro local. Portanto, o Estado também trabalha para que sejam aplicadas ações de recuperação do bioma para não haver perda de cobertura vegetal.

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Cerca de 1,2 milhão de hectares de vegetação são protegidos em 69 Unidades de Conservação do Estado do Paraná. Desse número, 532 mil hectares estão em 15 unidades no Litoral paranaense, conforme o diretor de Patrimônio Natural do Instituto Água e Terra, Rafael Andreguetto.

“Dos 633 mil hectares de cobertura florestal que pertence ao Litoral, 532 mil estão em unidades de conservação. Por isso é tão importante cuidar dessas unidades”.

MAPEAMENTO

Com base em levantamento feito por técnicos do Instituto Água e Terra e do Consórcio Araucária, um mapeamento concluído em 2019 aponta que o Paraná apresenta 29,11% de cobertura por floresta nativa, considerando os estágios inicial, médio e avançado.

De acordo com a Agência Estadual de Notícias, os dados estão representados no mapa do Estado do Paraná, elaborado pelo Instituto em 2020. Foram embasados em imagens captadas pelos satélites WorldView-2 e Pleiades, com resolução espacial de dois metros.

As datas das imagens variam de 2012 (80%) a 2015 (20%) e foram fornecidas pela Copel. O mapeamento foi feito na escala 1:25.000 com escala de visualização em tela de 1:12.500. Por fim, a área mínima mapeada foi de um hectare.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

ESTÁ INDO EMBORA

Paraná está há 10 dias de encerrar situação de surto de sarampo

EM ALERTA!

Aumento de casos eleva isolamento a 44% em Guarapuava

TEMPO FIRME

Após expectativa de ciclone, tempo fica firme no fim de semana

Comentários