Paraná terá o maior pacote de concessão de rodovias do País

Com 4,1 mil quilômetros, Anel de Integração deve envolver mais de R$ 100 bilhões a longo prazo, com investimentos em estrutura, manutenção e toda a operação

Movimento na estrada (Foto: Geraldo Bubniak/ANPr)

*Com ANPr

O Paraná terá o maior pacote de concessões de rodovias do Governo Federal. De acordo com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, o leilão do novo Anel de Integração rodoviário do Paraná deve gerar investimentos de mais de R$ 100 bilhões no longo prazo para o Estado. Serão 4,1 mil quilômetros. 

Conforme Tarcísio de Freitas, é o mais significativo do pacote de concessões de rodovias do governo federal. Assim, o novo traçado desenhado pelo Governo do Estado e pelo governo federal incorpora ao polígono original (2,5 mil quilômetros). Além de mais três rodovias estaduais – a PR-092 (Norte Pioneiro), a PR-323 (Noroeste) e a PR-280 (Sudoeste). E ainda trechos das BRs 163, 153 e 476 e contornos de Londrina, Ponta Grossa e Cascavel. Todos somam 1,6 mil quilômetros.

A maior carga de investimentos no setor rodoviário será no Paraná, o maior lote de concessões. Estamos desenhando o que há de melhor em termos de estruturação, trabalhando com o Banco Mundial, com a Empresa de Planejamento e Logística (EPL)

Segundo o  ministro, entrarão mais de R$ 100 bilhões nas rodovias do Estado nos próximos anos se somar investimentos em estruturas, em manutenção e toda a operação. “E com tarifas menores do que as praticadas hoje. Isso é o que a nova modelagem vai nos proporcionar”, afirmou Tarcísio Gomes de Freitas.

DECOLAR 

Conforme disse o ministro, a projeção otimista leva em consideração os R$ 9,4 bilhões em investimentos prospectados em 27 leilões da infraestrutura em 2019, a retomada da economia brasileira e a confiança do setor privado.

“Estamos construindo um novo Brasil, que vai crescer e decolar. Crescemos 1,2% em 2019 e não crescemos pouco. O País é um avião com duas turbinas: a do setor público e a do setor privado. A do setor público estava com o reverso acionado. Era importante fazer a contenção fiscal, o compromisso com a solvência. O que mostra que o setor privado foi responsável pelo crescimento e já está gerando mais de 2% de crescimento”, acrescentou o ministro.

DEMANDAS REPRESADAS 

O governador Ratinho Junior acrescentou que o leilão do novo Anel de Integração será na Bolsa de Valores e encerrará anos de desconfiança da população com esse modelo. Ele também disse que a inclusão de rodovias estaduais atende demandas represadas do setor produtivo e darão nova perspectiva de segurança para os motoristas em trechos com muitos acidentes.

Não vamos repetir o que não deu certo no Paraná. Estamos trabalhando em parceria o governo federal para ter os melhores e mais transparentes contratos, com mais investimentos e redução de pelo menos 50% nos preços”, afirmou Ratinho Junior. “Vamos transformar o Paraná numa potência logística e atrair novas ainda mais empresas e empregos.

INTEGRAÇÃO DE MODAIS

De acordo com o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, o novo Anel de Integração permitirá ao Paraná, também, maior integração entre os modais. “Estamos diante de um grande momento para o Paraná. Vamos entregar menos tarifas e mais obras, será o maior lote de concessões do País. Vamos virar a página da história dos pedágios”.

ESTUDOS 

O governo federal investiu R$ 60 milhões no estudo da nova modelagem. Conforme as informações, deve ser concluído neste ano e apontará a quantidade de lotes. A Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL) e o International Finance Corporation (IFC), do Banco Mundial, são os responsáveis pelas análises.

Assim, a proposta em análise prevê uma modelagem híbrida, com a menor tarifa e a maior outorga, para evitar que empresas aventureiras se ancorem no preço da tarifa e não consigam cumprir o que está previsto na licitação. Também está previsto um modelo em que o usuário que utiliza mais as rodovias pague tarifas menores, o chamado Desconto ao Usuário Frequente (DUF).

ANEL DE INTEGRAÇÃO 

Os contratos com as atuais concessionárias foram assinados em 1997 e se encerram em 2021. O polígono geométrico interliga Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Cascavel, Foz do Iguaçu, Campo Mourão, Maringá, Paranavaí, Londrina e Paranaguá.

O novo programa de concessões rodoviárias passará a funcionar seguindo a lógica dos pedágios federais que já funcionam no Estado, unindo corredores em formato de mosaico. Entre as ligações, os destaques são para o reforço na ligação com São Paulo pelo Norte Pioneiro e a resolução dos gargalos da PR-323 e PR-280.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

COMBATE

Nova etapa do edital de combate ao Coronavírus engloba mais 12 cidades

LUTO

Espanha já contabiliza 5.690 mortes por coronavírus

RECEITA FEDERAL

Prazo para declarar imposto de renda segue até 30 de abril

Comentários