Parques do Estado continuam fechados para visitação, afirma IAT

O Instituto Água e Terra (IAT) pede a colaboração de todos que ainda insistem em visitar parques de montanha, como o Marumbi, Pico Paraná e Serra da Baitaca

Parques do Estado continuam fechados para visitação, afirma IAT (Foto: Rodrigo Félix Leal/ANPr)

A Secretaria do Desenvolvimento Sstentável e do Turismo reforça que os parques estaduais continuam fechados para visitação pública. Assim, o Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria, orienta a população para que não visite as Unidades de Conservação nesse período de prevenção do novo coronavírus.

Mesmo com faixa e sinalização sobre o fechamento, parques que normalmente não possuem controle de visitação, como o Marumbi, Pico Paraná e Serra da Baitaca, ainda continuam sendo visitados.

Conforme a Agência Estadual de Notícias, o diretor de Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto, observa que esta é uma temporada de tempo seco e limpo, o que faz aumentar o desejo de subir montanhas.

“Como os parques não possuem portão para controle de visitação, precisamos trabalhar a conscientização das pessoas, para que obedeçam as faixas de bloqueio”.

SEM RISCO

O fechamento das unidades foi anunciado no dia 18 de março. A orientação vale para todos os parques do Estado e locais abertos. “Esse não é o melhor momento para sair de casa. Todos devem fazer sua parte e não se colocar em risco e nem colocar outras pessoas em risco”.

ILHA DO MEL

Outra resistência é encontrada na Ilha do Mel. Vale ressaltar que as embarcações estão suspensas para visitantes. Entretanto, está permitido o trânsito de moradores ou em situações essenciais, como abastecimento ou socorro médico.

O IAT mantém monitoramento constante nas unidades e a abertura será anunciada assim que possível.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

AJUDE O PROJETO

Projeto Anjos Inocentes precisa de doações para construção da nova sede

FIQUE ATENTO!

Fies disponibiliza 50 mil vagas remanescentes para o 2º semestre

CUIDADO E APOIO

Traumas na infância e adolescência podem se agravar na fase adulta

Comentários