Regime parcial nos Cmeis é para poder atender mais crianças, diz Cesar Filho

Porém, pais comprovando que ambos trabalham expediente integral e que não possuem parentes perto de casa tem direito à vaga integral para os filhos

Crianças do Cmei no Jardim Colibri (Foto: Secom/Prefeitura de Guarapuava)

A demanda crescente por vagas nos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei’s) em Guarapuava levou a administração municipal a tomar uma medida polêmica. Após conversa com o Ministério Público a alternativa encontrada foi dividir o expediente integral em dois turnos.

De acordo com o prefeito Cesar Silvestri Filho, a capacidade para novos Cmeis chegou ao limite. “Inauguramos 12 unidades durante até dezembro de 2019”. Hoje são 27 unidades implantadas em vários bairros da cidade. Porém, a demanda aumenta anualmente.

Assim, a solução foi fazer com que bebês entre um e cinco anos, frequentem as creches durante meio período. Caso os pais não aceitem essa condição, retornam à fila de espera. Porém, se os pais comprovarem que ambos trabalham em expediente cheio, a vaga será prioridade. Entretanto, precisam comprovar que não possuem parentes residindo próximos à casa da família.

Conforme o prefeito, há informações de várias mães que não trabalham e que colocam os filhos em creches. “Estamos priorizando os pais que trabalham fora. E essa foi a maneira encontrada para democratizar o acesso à escola e incluir mais crianças no sistema. Além de assegurar o direito a quem trabalha”.

Conforme o prefeito, essa medida não inclui o berçário. Ou seja, bebês com menos de um ano de idade tem vaga assegurada. Essa regra não é novidade. Ela vem sendo implantada gradativamente e agora em 2020 concluiu a sistematização.

POLÊMICA

Um dos 27 Cmeis de Guarapuava (Foto: Anderson Zacalusni)

A medida provocou polêmica na cidade. Além de vereadores que ‘compraram’ a causa em defesa dos pais, mães foram ao Ministério Público em busca de auxílio.

Entretanto, o MP expediu recomendação que “somente em casos excepcionais, os pais ou responsáveis podem optar pela escola em período parcial (manhã ou tarde), a partir da livre e espontânea vontade dos mesmos, desembaraçada de induzimento a erro ou pressões de quaisquer espécies”.

Assim,“o período integral tem sido concedido às famílias e núcleos familiares que comprovem atividade laboral em período integral ou situação de hipossuficiência extrema”.

Observa também que “tanto a universalização do ensino, quanto convivência familiar é direito das crianças”. Por isso, quem tiver matrícula negada pode entrar com ação judicial.

Entretanto, segundo o prefeito Cesar Filho, os Cmeis em Guarapuava ganharam novo formato deixando de serem assistencialista para serem educacionais, promovendo também o desenvolvimento cognitivo, motor, sensorial e pré-alfabetização. “Por isso não podemos abrir mão da qualidade de ensino”.

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Às 19h desta quinta (23) uma audiência pública vai debater o assunto. Será no plenário da Câmara de Vereadores em Guarapuava.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

RECONHECIMENTO

Campo Real recebe nota máxima do Ministério da Educação

VAMOS ESTUDAR?

Senac oferece cursos técnicos na área da enfermagem em Guarapuava

DESCONTOS IMPERDÍVEIS

Black Friday: Faculdade Guarapuava oferece descontos nas mensalidades

Comentários