Requião reafirma decisão de priorizar ramal Guarapuava – Paranaguá da Ferroeste

Guarapuava – Prefeitos apóiam decisão do governo de dar prioridade à construção do ramal ferroviário da Ferroeste entre Guarapuava e o Porto de Paranaguá

O governador Roberto Requião reafirmou, ontem, quinta-feira, em Palmeira, onde foi inaugurar o Centro de Saúde da Mulher e da Criança, sua vontade de agilizar o andamento do projeto de construção do novo trecho ferroviário entre Guarapuava e o Porto de Paranaguá. A informação é do prefeito municipal Altamir Sanson. “O governador falou que está com pressa de encaminhar o projeto da ferrovia”, afirmou o prefeito.
Para Sanson, o novo ramal, cujo traçado passa pelo município de Palmeira, “vai ajudar muito o município”, que fica na Região Sul, a 70 quilômetros de Curitiba. “Facilitará nossa vida pela facilidade do transporte”, afirmou. O prefeito de Palmeira adiantou ainda que a região gostaria de aproveitar a ferrovia não apenas para a exportação e importação de produtos, mas também como alternativa de transporte turístico. “A região possui vários projeto no setor turístico”, disse ele, inclusive religioso, e a ferrovia pode impulsionar iniciativas no setor de turismo com a parceria da Cooperativa Witmarsum, colônia de imigrantes nenonitas que tiveram origem no norte da Holanda e Alemanha.
Vontade política
A prioridade à construção do ramal Guarapuava-Porto de Paranaguá da Ferroeste foi decidida em reunião, dia 2, no Palácio das Araucárias, entre o governador e o presidente da Ferroeste, Samuel Gomes. Da reunião também participaram o secretário dos Transportes, Rogério Tizzot; o secretário da Agricultura, Valter Bianchini; o secretário da Fazenda, Eron Arzua; e o comandante geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Anselmo José de Oliveira, que é membro do Conselho Administrativo da Ferroeste.
A medida repercutiu positivamente em vários setores da sociedade. O prefeito em exercício de Guarapuava, José Luiz Massaro, que acompanha a visita de inauguração do governador à cidade, nessa quinta-feira, disse que apóia a decisão de agilizar o projeto de expansão da Ferroeste. A atual “estrada de ferro é antiga”, lembra o prefeito de Guarapuava, o que leva grande parte da produção a ser escoada ainda por rodovia, “aumentando o tráfego de caminhões no Estado”. A decisão do governo, segundo ele, vem “em boa hora”. Massaro ressaltou que em todo o país existe a esperança de que “a malha ferroviária brasileira aumente e se aprimore” o quanto antes. “Se o Paraná sair na frente, melhor, terá todo o nosso apoio”.
Para o ex-governador Emílio Gomes, a manifestação de Roberto Requião em favor no novo traçado “faz eco ao clamor estadual”. Segundo ele, “todo mundo que pensa na economia paranaense e nas facilidades desejadas de transportes quer a mesma coisa: que haja facilidade de transporte barato” . O ex-governador liderou o grupo de engenheiros do Banco de Idéias do IEP (Instituto de Engenharia do Paraná) que fez o primeiro alerta contra o equívoco de construir o ramal até o porto pela variante Guarapuava-Ipiranga, como desejava a operadora privada.
“Nosso agricultor é amante das técnicas mias modernas e produtivas de agricultura”, sublinha Emílio Gomes, “tem produtividade que concorre com a agricultura de qualquer parte do mundo, mas perde no transporte”. A vontade política do governo em agilizar o projeto da Ferroeste, finalizou o ex-governador, traz “um alivio para quem trabalha nesse setor”.
A linha atual da Ferroeste, entre Guarapuava e Cascavel, lembra o presidente da empresa, Samuel Gomes, foi construída no primeiro mandato do governador Roberto Requião, entre 1991 e 1994. “Custou US$ 363 milhões e foi paga integralmente pelo Tesouro do Estado”. Gomes lembra que a obra foi construída pelo Exército Brasileiro. “Em seguida ao término do mandato do governador Requião, a ferrovia sofreu um longo período de paralisia e gestão predatória, somente interrompido com sua retomada pelo Estado, em 18 de dezembro de 2006, no segundo mandato do governador Requião”, acentuou.
A expansão das linhas da Ferroeste, a partir da retomada, em direção ao Mato Grosso do Sul (Cascavel-Guaíra/PR – Mundo Novo-Dourados-Maracaju/MS), ao Paraguai (Cascavel-Foz do Iguaçu – Puerto Presidente Franco) e ao Sudoeste do Paraná e Oeste de Santa Catarina (Laranjeiras do Sul-Chapecó) passou a ser um projeto defendido como prioritário pelos governadores da Região Sul, sob a égide do Codesul, e pelo governo do Paraguai.
Gargalo logístico ferroviário
“Todavia”, observa Gomes, “para que a expansão se realize é necessário superar um gargalo que separa a ferrovia existente e os seus novos ramais do Porto de Paranaguá. O referido gargalo é a linha férrea entre Guarapuava e Ponta Grossa”. Segundo o presidente da Ferroeste, esta linha, que foi construída entre 1906 e 1918, de Ponta Grossa e Irati, e entre 1918 e 1954, de Irati a Guarapuava, operada atualmente por uma concessionária privada, “é estrutural e irremediavelmente inadequada para dar vazão às cargas que a linha atual da Ferroeste tem capacidade de transportar”.
Gomes considera que o gargalo “constitui-se hoje num obstáculo à plena utilização pela Ferroeste da ferrovia, entre Cascavel e Guarapuava, construída com o monumental esforço orçamentário pelo Estado do Paraná na primeira gestão do governador Requião”. E adverte: “além de impedir a plena operação da Ferroeste, o referido gargalo representa obstáculo à construção de novos ramais em direção do Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Paraguai”.
O presidente da ferrovia frisou que na reunião realizada no Palácio das Araucárias, o governador determinou que a Ferroeste, sem prejuízo da devida atenção aos demais ramais do seu plano de expansão, “priorize a solução do gargalo, avançando suas linhas a partir de Guarapuava em direção do Porto de Paranaguá”.
Escola de Governo
Segundo Gomes, Requião determinou que a Ferroeste convide os setores produtivos, de engenharia, dos trabalhadores e das regiões beneficiadas (Oeste, Sudoeste, Centro, Cantuquiriguaçu, Região Metropolitana de Curitiba e Litoral) para uma ampla discussão pública da nova ferrovia, na próxima reunião da Escola Semanal de Governo, no dia 9 de junho, às 8h30, no auditório do Museu Oscar Niemeyer, no Centro Cívico.
Durante a reunião, a Ferroeste apresentará ao conjunto do governo e à sociedade os resultados do estudo de pré-viabilidade da nova ferrovia. O serviço foi contratado junto ao Lactec- Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento. O ramal Guarapuava-Paranaguá da Ferroeste, adiantou Gomes, reduzirá a distância ferroviária atual entre Cascavel e Paranaguá em 125 km. “Portanto, a distância passará dos atuais 736 km para 611 km”, disse ele. A diferença é de 250 km de redução no ciclo de ida e volta.
Além disso, como terá características técnicas idênticas ou melhores que a linha que a Ferroeste já opera, o novo ramal permitirá que o ciclo dos vagões entre Cascavel e Paranaguá, que hoje varia entre 8 e 10 dias, seja reduzido para dois dias. “O novo ramal promoverá uma revolução logística”, garante Gomes. “Será uma ferrovia do século XXI para uma logística do século XXI”, prossegue, “que impulsionará o desenvolvimento econômico e social do nosso Paraná, Mato Grosso do Sul, Paraguai e Santa Catarina e fortalecerá o nosso Porto de Paranaguá como destino natural de uma ampla região interior da América do Sul”. A nova ferrovia impulsionará, também, o corredor ferroviário bioceânico entre o Atlântico e o Pacífico, através do Paraná, Paraguai, Norte da Argentina e Chile.
O ramal Guarapuava-Paranaguá da Ferroeste vai passar também pelos seguintes municípios: Prudentópolis, Irati, Fernandes Pinheiro, Teixeira Soares, Palmeira, Porto Amazonas, Lapa, Balsa Nova, Araucária, Curitiba, São José dos Pinhais, Morretes e Antonina.

BOX

Ferroeste participa de reunião com o
presidente em exercício do Paraguai

O presidente da Ferroeste, Samuel Gomes, participa nesta sexta-feira (5) de um encontro, em Assunção, a convite do presidente em exercício do Paraguai, Luis Federico Franco Gómez, para falar a autoridades e lideranças políticas e econômicas daquele país sobre o projeto de expansão da ferrovia. A reunião, no palácio presidencial, conta com o apoio do Grupo Propulsor, do Paraguai, que desenvolve, em conjunto com a Ferroeste, o Programa de Integração Ferroviária.
O objetivo da cooperação binacional é unir Foz do Iguaçu a Puerto Presidente Franco, com a construção de uma ponte ferroviária, e depois estender a linha a Santa Rita-Encarnación-Pilar, com o projeto de expansão da Ferroeste. O ramal faz parte do corredor bioceânico, que terá conexão com Posadas e Resistencia, na Argentina, seguindo depois para, por ferrovias já existentes, aos portos do Chile. A reunião acontece às 10 horas no Salão de Reuni

Relacionadas

MAIS UMA MORTE

Após 28 dias desde os primeiros sintomas, morre 76º paciente

PROST

Quiosque da Brahma surge repaginado no Shopping 'Cidade dos Lagos'

COMEMORAÇÃO

Fernando e Sorocoba no 'Parabéns pra você' em Guarapuava

Comentários