Sarampo: a falta de procura pela vacina contribuiu para a proliferação

Apesar de erradicado no Brasil, o vírus circula em todo o mundo. A falta de procura pela vacina trouxe o sarampo de novo para o país, conforme especialistas

A vacina é a única forma de evitar a doença (Foto: José Fernando Ogura/AEN)

O sarampo, uma doença erradicada no Paraná há 20 anos, ressurgiu no Estado no ano passado. A última vez que houve registros no Parana foi 1998. Na ocasião, houve 873 casos e uma morte decorrente de complicações da doença.

Assim, o primeiro caso confirmado da doença foi no início de agosto de 2019. Uma mulher de 41 anos de Campina Grande do Sul viajou a São Paulo e voltou com a doença. Depois disso, os casos suspeitos foram aumentando exponencialmente. Semana após semana, o número de casos suspeitos crescia.

Além disso, nesta semana, o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde sobre o sarampo, contabiliza 2.902 casos. Deste total, 831 foram confirmados, 1.653 ainda estão sendo investigados. Por fim, 418 suspeitas já foram descartadas. A maior incidência da doença é em jovens de 20 a 29 anos.

ALERTA FOI DADO

Em agosto de 2018, um alerta da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, levantou a hipótese do retorno da doença. Na ocasião, os especialistas reiteraram a importância da vacina. Isso porque, a Venezuela que faz fronteira com o Norte do Brasil, enfrentava um surto de sarampo desde julho de 2017. Ainda de acordo com os especialistas, a maioria dos casos era proveniente do estado de Bolívar.

Assim, os especialistas debateram sobre a situação sociopolítica econômica enfrentada pela Venezuela naquela época. E apontaram para o intenso movimento migratório que contribuiria para a propagação do vírus a outras áreas geográficas. Por isso, os especialistas afirmam que a falta de vacinação é um dos fatores que contribuíram para a propagação do sarampo.

Eles afirmam que a eficácia e a segurança da vacina, que foram os argumentos para acabar com o sarampo no passado, continuam altas, assim como seu impacto no controle da doença. Entretanto, a continuidade da circulação do vírus em algumas Regiões do mundo exige cobertura vacinal adequada para que novos casos e surtos não ocorram.

Dados mostram a incidência da doença no Estado (Imagem: Reprodução/Sesa)

5ª REGIONAL

A 5ª Regional de Saúde, que abrange Guarapuava e outros 19 municípios, tem casos suspeitos registrados em nove cidades. Os registros são em Boa Ventura do São Roque, Cantagalo, Foz do Jordão, Guarapuava, Laranjeiras do Sul, Marquinho, Pitanga, Prudentópolis e Rio Bonito do Iguaçu.

Assim, são 31 casos registrados até o momento. Destes, 17 já foram descartados e 15 ainda seguem em investigação. Na área de abrangência da Regional não há casos confirmados. Guarapuava é a cidade com maior número de casos, sendo 11 no total. Além disso, sete já foram descartados e outros quatro estão sendo investigados.

IRATI

Irati é uma das cidades da Região castigadas pelo surto da doença. Na pequena cidade já existe o registro de 35 situações. Além disso, cinco foram confirmadas. Assim, 15 estão em investigação e outros 15 já foram descartadas.

A Saúde do município está em alerta, e sempre que um novo caso é identificado e colocado em análise, a secretaria emite um chamamento público para que pessoas que tiveram um possível contato com o paciente infectado possam ser imunizados.

Incidência da doença por faixa etária (Imagem: Reprodução/Sesa)

VACINA

A vacina contra o sarampo é de graça e faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Assim, a Sesa orienta para que a população fique atenta às datas da carteira de vacinação e aos registros de doses.

Assim, a dose zero deve ser aplicada em crianças entre seis e 11 meses. A primeira dose deve ser aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral, que previne sarampo, caxumba e rubéola. Já a segunda dose aos 15 meses de vida com a vacina tetra viral, que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora.

Além disso, a população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose. Mulheres que estão amamentando podem ser vacinadas. E aquelas que desejam engravidar, devem aguardar no mínimo 30 dias após receber a dose da vacina.

Todos os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral em qualquer faixa etária. Não tem indicação para tomar a vacina pessoas com a imunidade baixa, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade e pacientes que tomam medicações imunossupressoras.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

Novo decreto estadual impõe novas medidas sobre eventos

EDUCAÇÃO

Governo adia prova de conhecimento do PSS para 20 de dezembro

PANDEMIA DA COVID-19

Governo do Paraná confirma implantação do toque de recolher

Comentários