SERGIO FANUCCHI: “Se o deputado for expulso, saio do PSB”

Guarapuava – A repercussão sobre o caso “Carli Filho” cresce à medida em que os dias passam. As análises, entretanto, visam o mesmo denominador comum, ou seja, imputar culpabilidade ao deputado pela morte dos jovens Gilmar Yarede e Luiz Murilo de Almeida na madrugada de 7 de maio deste ano em Curitiba. A pena que está sendo pedida vem em dose dupla: cassação do mandato e expulsão do PSB, partido pelo qual foi eleito.
Caso seja confirmada a expulsão do PSB, cujo prazo para apresentar defesa junto a Comissão de Ética do Partido, se encerraria na quinta-feira, dia 18, mas que, segundo Severino Aráujo, líder do partido no Paraná, teve interpretação equivocada por parte da imprensa, Carli Filho terá um cúmplice em Guarapuava. O advogado Sergio Fanucchi (foto), que preside o PSB Municipal disse que deixará a agremiação. “Serei solidário ao prefeito Fernando Ribas Carli e ao deputado e qualquer coisa que acontecer a ele (Carli Filho) será extensiva a mim. Sou companheiro e se o deputado for expulso saio do partido”, avisou.
Severino Aráujo, em entrevista exclusiva à TRIBUNA-REDE SUL DE NOTÍCIAS na tarde de quinta-feira também confirmou ser amigo da Família Carli. “Sou amigo do Carli há mais de 20 anos. Abonei a ficha de filiação do seu filho no nosso partido, mas entre a amizade e o dever que tenho frente a 25 mil filiados do PSB, fico com o dever. A tendência é pela expulsão”, confirmou.
Quanto a pré-disposição de Fanucchi em abandonar a presidência do PSB, Severino limitou-se a dizer que “não tem problema”. Ele lembrou que o partido tem um vice-presidente e dois vereadores (Sadi Federle e Lizandro Martins) e que respeita qualquer decisão. “Não devemos fazer de conta que esse acontecimento que mobiliza a opinião pública nacional não existe. Tenho que respeitar e acatar as normas estatutárias. O deputado e seu pai merecem o meu respeito, mas não posso agir como amigo quando lhe está sendo imputada a responsabilidade por um acidente que matou duas pessoas. Não sou hipócrita e as normas partidárias valem para mim como presidente, para deputados, senadores, vereadores, governadores, ministros”, afirmou.
Ele garantiu que o PSB dará a Carli Filho o direito de ampla defesa nesse processo. Foi assim que justificou o fato de na quinta-feira, 28, interpretar que não seria esse o prazo final para que o deputado – que ainda está internado no Hospital Albert Einstein em São Paulo – se defendesse perante a Comissão de Ética. “Houve um equívoco.
Severino observou que o caso possui dois prazos a serem cumpridos. Um deles é o pedido de cassação do mandato que foi solicitado pela Família Yarede e que tramita na Comissão de Ética da Assembléia Legislativa do Paraná. Esse processo já findou com a renúnica do deputado na tarde de ontem, sexta-feira, dia 29.
Outro está em trâmite dentro do PSB e que trata da expulsão de Carli Filho das hostes pessebistas.
“Nós fizemos a notificações extra-judiciais via AR (Correios) e pelo Cartório do 1o Ofício em Curitiba e em Guarapuava. Este último o prazo expirou no dia 25 para a entrega ao deputado, portanto, ainda há o prazo para o retorno do Cartório – se entregou ou não – ao Partido. Esse prazo acaba no dia 6 de junho”, explicou.
Em ambas as notificações, segundo Severino Araújo, só existe a validade a partir do momento em que o destinatário recebe a notificação.
Entretanto, no início da semana o próprio Severino informou que o prazo se encerraria na quinta-feira.
O que chama a atenção, porém, é que em nenhum momento Severino disse que as notificações foram encaminhadas ao Albert Einstein. Tentou justificar, mas não convenceu quando disse ter conseguido o endereço somente na quinta-feira, mas que teria que fazer uma avaliação técnica do local. Uma colocação que soa, no mínimo, irônica.
O presidente alega também que o processo tem que seguir todos os ritos previstos pelo Estatuto do partido para não deixar brechas.
Um fato que pode ter adiado os rumos da decisão do PSB seria o recebimento de uma carta assinada por Carli e endereçada ao partido. “A carta chegou ontem (quarta-feira), mas só em entregaram hoje (quinta-feira)”, disse Severino à TRIBUNA.
Severino não quis revelar o teor para não passar por cima da Comissão de Ética do PSB, mas garantiu que o conteúdo do documento será revelado nos próximos dias.
“Não veio nada oficial, nenhuma procuração para que o pai seja o preposto. É uma correspondência simples”, afirmou. Informou também que até quinta-feira (dia de fechamento desta edição) o Partido não tinha sido procurado por nenhum advogado do deputado.
Se por um lado a Família Carli se “fecha em copas” e não há informações oficiais sobre o estado de saúde do deputado – informações extra-oficiais de pessoas ligadas à família dizem que Carli Filho receberia alta nesta segunda-feira, dia 1º de junho e ainda permaneceria em São Paulo por mais 10 dias; só se comunica escrevendo algumas palavras e teria seqüelas estéticas no rosto – , a pressão da sociedade não para e já respinga no pai do deputado, o prefeito licenciado de Guarapuava Fernando Ribas Carli (PP) que teve ação na Justiça Eleitoral reaberta na terça-feira, dia 26, sob suspeita de abuso de poder político na campanha eleitoral do ano passado.
Mas não é só isso. A Família Yarede não se cala e a imagem de Cristiane, mãe do jovem que teve a cabeça decepada no acidente, ganha a mídia, choca a sociedade, se revela num misto entre o desespero pela justiça e a vingança. O pai, Gilmar, também faz essa caminhada. Percorreu gabinetes na Assembleia Legislativa conclamando os deputados para audiência pública neste sábado, dia 31, às 9 horas, na Boca Maldita em Curitiba, espaço que servirá de palco para o lançamento do movimento “Boca Bendita” presidido por Cristiane e que vai clamar por justiça.
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, também se pronunciou durante estadia em Curitiba na quarta-feira, dia 27. Defendeu que episódios como o de Carli Filho, que ganhou repercussão social, exigem uma resposta rápida da Justiça. “Casos como esse têm de ser julgados rapidamente, para não estimular o raciocínio da população de que há impunidade no Brasil”, disse ele à imprensa estadual, referindo-se à possibilidade de Carli ser considerado culpado.
Britto observou também que o acidente envolvendo o deputado reflete a má compreensão da função pública. “Não o acidente em si, que pode ter sido uma fatalidade, mas pelo histórico do deputado, que já tinha a carteira cassada e continuava a dirigir, porque tinha a certeza de que jamais seria impedido, por causa do cargo que ocupa.”

Relacionadas

INÍCIO DE MANDADO

Primeira sessão ordinária da Câmara ainda não tem dia definido

MILITARIZAÇÃO

Deputados aprovam alterações no programa Colégios Cívico-Militares

LUTO

Morre o ex-deputado Algaci Tulio, mais uma vítima da covid-19

Comentários