Sociedade poderá participar do Plano de Segurança Pública do PR

Ferramenta tecnológica lançada nessa semana permitirá construção coletiva do documento, que norteará as políticas para a área pelos próximos 15 anos

Sociedade poderá participar da elaboração do Plano de Segurança Pública do PR (Foto: Ascom/PM)

Instituições públicas, especialistas e toda a sociedade poderão contribuir com a elaboração do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social do Paraná. Esse plano vai nortear as políticas para a área pelos próximos 15 anos. Assim, conforme a Agência Estadual de Notícias, a participação social será feita por meio de uma plataforma on-line, desenvolvida pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, com assessoramento técnico e metodologia da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

A ferramenta lançada no dia (20), contou com a participação do vice-governador Darci Piana; do presidente da Fiep, Carlos Walter; do secretário estadual de Segurança Pública, Romulo Marinho; e de representantes de outras entidades envolvidas na elaboração do plano.

No encontro, Piana assinou o termo de cooperação entre o Governo do Estado e a Fiep que ratifica a parceria. O documento também será encaminhado para a assinatura do presidente da entidade.

AÇÕES ESTRATÉGICAS

Alinhado ao Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, o Plano Estadual deve ser concluído até o fim do ano e trará ações estratégicas válidas até 2035, com a previsão de revisões anuais. Assim, o documento busca integrar o trabalho das instituições de segurança pública estaduais, federais e municipais. E ainda, envolver todas as entidades que tenham alguma ligação com o tema, direta ou indiretamente.

Conforme o vice-governador, a plataforma on-line garante a participação social na elaboração do plano, mesmo em um momento em que não é possível discussões presenciais. “Este processo de construção coletiva será muito importante e representa a democratização da segurança pública. Técnicos, especialistas e toda a sociedade poderão dar a sua contribuição para definir as ações prioritárias para a área no Estado para os próximos 15 anos”.

A consulta está aberta pelo período de um mês e pode ser acessada aqui. Com ela, entidades como o Ministério Público e a Defensoria Pública Estadual, representantes dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs), especialistas e todo cidadão com interesse pelo tema, ajudarão a escolher as áreas prioritárias, o horizonte para execução (no curto, médio ou longo prazo) e as instituições responsáveis pelas ações.

PLANO ESTADUAL

Cerca de 200 especialistas estão envolvidos, desde janeiro, na elaboração das questões que devem compor o Plano Estadual de Segurança Pública. O documento conta com seis eixos estratégicos: Enfrentamento, Prevenção, Sistema Prisional, Defesa Civil, Dimensão Humana e Serviços à Comunidade.

Conforme o secretário Romulo Marinho, é um projeto que demanda grande sinergia e alinhamento, pois vai basear as ações de segurança dos próximos 15 anos. “Tudo o que for colocado no papel deverá ser cumprido e irá orientar o planejamento estratégico e as áreas logística e orçamentária. Os eixos prioritários vão embasar, por exemplo, a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA) e Plano Plurianual do governo estadual na área segurança pública”.

De acordo com a Agência Estadual de Notícias, a plataforma de consulta conta com vídeos explicativos sobre o panorama atual da Segurança Pública do Paraná. Também traz as tendências mundiais para a área, levantadas a partir das ações desenvolvidas em países que são referência no tema e adaptadas para a realidade paranaense.

COMO PARTICIPAR DO PLANO DE SEGURANÇA PÚBLICA

Todo cidadão pode contribuir com a construção do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social. Basta fazer um cadastro rápido no site para ter acesso às questões que envolvem os eixos prioritários.

Não é necessário responder a todos os pontos, podendo decidir qual área tem maior conhecimento ou interesse. Além disso, cada um dos eixos conta com ações específicas a serem executadas, e o participante define se deve ou não avaliar ou se não sabe opinar.

Entretanto, se a escolha for por fazer a avaliação, é possível definir a relevância daquela ação, o horizonte temporal a ser implementada e qual instituição será responsável por ela. Ao todo, os seis eixos contam com cerca de 450 ações.

Por fim, a participação social vai definir quais serão incluídas no Plano Estadual. Todas elas estão contextualizadas, com detalhes dos estudos de onde foram tiradas e a quais objetivos do Plano Nacional estão relacionadas.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

REFORÇO

Segurança pública recebe reforço de 100 fuzis do Exército

REPÚDIO

'Cidadania' repudia sentença racista de juíza de Curitiba

CONQUISTA

Reconhecimento: Paraná conquista Área Livre de Aftosa sem Vacinação

Comentários