A arte de Kavanha passa pela aerografia, ‘body paint’ e chega ao Halloween

A arte é o dom que começou cedo dando vazão à criatividade pelas mãos de Vinicius Korocoski, o Kavanha

Talento demostrado no primeiro desenho em aerografia (Foto: Divulgação)

Desde as primeiras aulas de desenho com a professora Rozana Ortiz, ainda pequeno, Vinicius Korocoski, já surpreendia pelos eu talento. “A professora mandava eu desenhar determinada coisa, mas o meu olhar ia além. Ela dizia: nossa, piá. Eu ainda não te ensinei”.

É assim mesmo. Talento não se cria, ele já nasce com a pessoa. O que pode fazer é aperfeiçoar traços, impor técnicas.

Dono pediu para desenhar o seu cachorro no capacete da moto (Foto: Divulgação0

De acordo com Vinicius, o Vini Kavanha, como é chamado, trabalha, principalmente, com aerografia. “Meu primeiro trabalho foi um auto-retrato que fiz no meu capacete”.

Conforme Vinicius, o gosto por essa técnica encontra suporte por aproximar mais do realismo. Para isso, muitas coisas que faz misturam a mão livre com máscaras. “Nesse trabalho o mais difícil é pintar capacete por ser oval”.

Outro capacete customizado por Kavanha (Foto: Divulgação)

Porém, a arte de Kavanha pode ser estar estampada num corpo, em móveis ou qualquer outro espaço. “Posso pintar tudo o que existir”, brinca.

Assim, nessa alquimia de cores, ele mistura também a aerografia, com nanquim, com lápis, criando efeitos que surpreendem. ” Tenho uma marca, a Machine Head Art Work”.

Guitarra com a arte de Kavanha (Foto: Divulgação)

HALLOWEEN

Múmia, a primeira fantasia de Sophia no Halloween do CCBEU (Foto: Divulgação)

Além de ser um os melhores, senão o melhor bateristas de Guarapuava, principalmente quando o gênero é jazz, o talento de Kavanha se estende também a máscaras e fantasias.

Chapeuzinho Vermelho (Foto: Divulgação)

Halloween é um dos temas preferidos. E é assim que ele cria personagens para os sobrinhos Sophia e Leon para as festas do CCBEU.

“O primeiro foi uma múmia, depois o chapeuzinho vermelho, a malévola e agora o espantalho”. Essas foram a Sophia, e vampiros e dráculas para o Leon.

Malévola (Foto: Divulgação)

Entretanto, nesta última, o espantalho, foram mais de três horas de produção utilizando apenas juta e cola para cílios. O resultado foi assustador. “Eu criei na hora, porque foi mudado o tema. Eu tinha uma coisa na cabeça, tive que resetar tudo, fui fazendo e criando. Mesmo porque algumas coisas já estavam prontas, como o chapéu, por exemplo”.

O Espantalho, primeiro lugar deste ano (Foto: Divulgação)

Aliás, os adereços foram feitos por Sophia com o pai Victor. “Passamos praticamente boa parte do dia fazendo as coisas. A Sophia até comentou comigo se havia outro pai que dedicava horas para ajudar a fazer a fantasia da filha”.

Kavanha e o vampiro de Leon (Foto: Divulgação)

Para a menina, o resultado foi satisfatório. Ela é ganhadora do prêmio do CCBEU por quatro anos consecutivos. “Cada ano tenho fantasias diferentes e cada vez mais criativas e assustadoras”.

Leon, Victor, Sophia e Kavanha (Foto: Divulgação)

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

DANÇA

Bailarinos de Guarapuava participam de festival on-line

BOA NOTÍCIA

Acompanhe as oficinas artísticas do MON no Youtube

TIN-TIN

London Pub comemora 10 anos e traz o imperdível Supla para a celebração

Comentários