A arte de Kavanha passa pela aerografia, ‘body paint’ e chega ao Halloween

A arte é o dom que começou cedo dando vazão à criatividade pelas mãos de Vinicius Korocoski, o Kavanha

Talento demostrado no primeiro desenho em aerografia (Foto: Divulgação)

Desde as primeiras aulas de desenho com a professora Rozana Ortiz, ainda pequeno, Vinicius Korocoski, já surpreendia pelos eu talento. “A professora mandava eu desenhar determinada coisa, mas o meu olhar ia além. Ela dizia: nossa, piá. Eu ainda não te ensinei”.

É assim mesmo. Talento não se cria, ele já nasce com a pessoa. O que pode fazer é aperfeiçoar traços, impor técnicas.

Dono pediu para desenhar o seu cachorro no capacete da moto (Foto: Divulgação0

De acordo com Vinicius, o Vini Kavanha, como é chamado, trabalha, principalmente, com aerografia. “Meu primeiro trabalho foi um auto-retrato que fiz no meu capacete”.

Conforme Vinicius, o gosto por essa técnica encontra suporte por aproximar mais do realismo. Para isso, muitas coisas que faz misturam a mão livre com máscaras. “Nesse trabalho o mais difícil é pintar capacete por ser oval”.

Outro capacete customizado por Kavanha (Foto: Divulgação)

Porém, a arte de Kavanha pode ser estar estampada num corpo, em móveis ou qualquer outro espaço. “Posso pintar tudo o que existir”, brinca.

Assim, nessa alquimia de cores, ele mistura também a aerografia, com nanquim, com lápis, criando efeitos que surpreendem. ” Tenho uma marca, a Machine Head Art Work”.

Guitarra com a arte de Kavanha (Foto: Divulgação)

HALLOWEEN

Múmia, a primeira fantasia de Sophia no Halloween do CCBEU (Foto: Divulgação)

Além de ser um os melhores, senão o melhor bateristas de Guarapuava, principalmente quando o gênero é jazz, o talento de Kavanha se estende também a máscaras e fantasias.

Chapeuzinho Vermelho (Foto: Divulgação)

Halloween é um dos temas preferidos. E é assim que ele cria personagens para os sobrinhos Sophia e Leon para as festas do CCBEU.

“O primeiro foi uma múmia, depois o chapeuzinho vermelho, a malévola e agora o espantalho”. Essas foram a Sophia, e vampiros e dráculas para o Leon.

Malévola (Foto: Divulgação)

Entretanto, nesta última, o espantalho, foram mais de três horas de produção utilizando apenas juta e cola para cílios. O resultado foi assustador. “Eu criei na hora, porque foi mudado o tema. Eu tinha uma coisa na cabeça, tive que resetar tudo, fui fazendo e criando. Mesmo porque algumas coisas já estavam prontas, como o chapéu, por exemplo”.

O Espantalho, primeiro lugar deste ano (Foto: Divulgação)

Aliás, os adereços foram feitos por Sophia com o pai Victor. “Passamos praticamente boa parte do dia fazendo as coisas. A Sophia até comentou comigo se havia outro pai que dedicava horas para ajudar a fazer a fantasia da filha”.

Kavanha e o vampiro de Leon (Foto: Divulgação)

Para a menina, o resultado foi satisfatório. Ela é ganhadora do prêmio do CCBEU por quatro anos consecutivos. “Cada ano tenho fantasias diferentes e cada vez mais criativas e assustadoras”.

Leon, Victor, Sophia e Kavanha (Foto: Divulgação)

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários