Árvore de Maio, tradição suábia, será derrubada nesta quinta (31), em Entre Rios

O Maibaum, ou Árvore de Maio, simboliza a gratidão do povo suábio pela última colheita

Árvore de maio (Foto: RSN/arquivo)

Os mastros que chamaram a atenção de visitantes nas cinco colônias suábias,  que compõem o distrito de Entre Rios, em Guarapuava, nos últimos 30 dias, começarão a serem retirados a partir das 17h30 desta quinta feira (31). A primeira a retirar o símbolo de tradição será a Colônia Vitória, na Praça Nova Pátria. O Maibaum, ou Árvore de Maio, simboliza o início da primavera no Hemisfério Norte, e a gratidão do povo suábio pela última colheita.

A derrubada do mastro acontecerá também nas colônias Vitória, Jordãozinho, Samambaia e Socorro.

Para tornar a tradição ainda mais festiva, a derrubada da Árvore de Maio contará com apresentações de grupos folclóricos da Fundação Cultural Suábio-Brasileira.

A TRADIÇÃO

Antiga tradição trazida da Europa pelos suábios, a chamada “Árvore de Maio”, ou Maibaum, em alemão, é um mastro enfeitado com guirlandas de ramos verdes adornadas de fitas, garrafas e flores. Em vilarejos rurais europeus, agricultores e população instalam a árvore, geralmente em praças, entre 30 de abril e 1º de maio. Entre outros significados, o costume simboliza a renovação da natureza e das lavouras trazida com a primavera no Hemisfério Norte.

Em Entre Rios, os suábios e seus descendentes mantinham a tradição com a instalação da árvore, na última noite de abril, em praças da localidade. Desde 2010, porém, a Fundação Cultural Suábio-Brasileira, apoiada pela Agrária, incluiu a festa típica no calendário da comunidade. A intenção da Fundação Cultural foi transformar a tradição num evento festivo.

Segundo a tradição, a Árvore de Maio está presente em várias culturas do norte da Europa e significa alegria com a chegada da primavera, com a fertilidade da terra e, ao mesmo tempo, integração com os ciclos da natureza.

Relacionadas

CULTURA

Biblioteca Pública lança novas edições de projetos infantis

CULTURA

Oficinas virtuais do MON já alcançaram mais de 165 mil pessoas

CULTURA

Grupos de leitura ajudam a adquirir conhecimento na quarentena

Comentários