Guarapuava recebe o Balé Teatro Guaíra nesta sexta (5)

Cidade foi escolhida para receber o espetáculo 'O Segundo Sopro', que celebra os 50 anos da terceira companhia de dança mais antiga do Brasil

Espetáculo ‘O Segundo Sopro’ representa a água, elemento que torna possível a existência. (Foto: Maringas Maciel)

Em 2019, o Balé Teatro Guaíra completa 50 anos de existência e para comemorar, a terceira companhia de dança mais antiga do país presenteia o público com um projeto de circulação. A privilegiada desta sexta (5) será Guarapuava, que vai receber o espetáculo ‘O Segundo Sopro’. A apresentação terá início às 20h, no Teatro Municipal. A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos na própria bilheteria do Teatro, uma hora e meia antes do espetáculo (a partir das 18h30). Haverá serviço de audiodescrição.

A montagem de ‘O Segundo Sopro’ estreou em 1999 e se tornou um dos espetáculos mais conhecidos da companhia. O vento, a água, as pedras, entre outros elementos, são a inspiração desta obra, criada especialmente para o Balé Teatro Guaíra pela premiada coreógrafa paulista Roseli Rodrigues.  Os sentidos espirituais da natureza em uma simbologia da própria existência são o enfoque das nove cenas ‘Aurora’, ‘O Segundo Sopro’, ‘Corpus’, ‘A Partilha’, ‘Tetraktys’, ‘Uno’, ‘O Retorno’, ‘Auror II’ e ‘Harmonia’.

No espetáculo, uma cortina de chuva artificial é usada para cobrir o palco com um espelho d’água, sobre o qual os bailarinos do Balé Teatro Guaíra se apresentam. Simbolicamente, ‘O Segundo Sopro’ é a representação da própria água – o oposto e o complemento do ar, elementos que tornam possível a existência. De acordo com a produção do balé, a dança sob a cortina de água se tornou um dos momentos cênicos de maior impacto da história do grupo.

O Segundo Sopro. (Foto: Maringas Maciel)

O Segundo Sopro. (Foto: Maringas Maciel)

O Segundo Sopro. (Foto: Maringas Maciel)

O projeto comemorativo de circulação já passou pelas cidades de Ponta Grossa, Campo Mourão, Maringá e Cascavel. Ainda passará por Paranaguá (26/7), com a apresentação do espetáculo”Carmen”, e Foz do Iguaçu (2/8), também com ‘O Segundo Sopro’.

A COMPANHIA

O Balé Teatro Guaíra foi criado em 1969 pelo Governo do Paraná. É uma das mais importantes companhias oficiais do país, graças à sua representatividade histórica conquistada por meio de obras consagradas. Durante o seu percurso, o BTG apresentou mais de 140 coreografias.

Em 2012, a companhia somou ao seu repertório a obra “A Sagração da Primavera”, de Igor Stravinsky, com coreografia da portuguesa Olga Roriz. No ano seguinte, o coreógrafo brasileiro Alex Soares trouxe “Predicativo do Sujeito”, uma obra bem humorada que explora grande vigor físico de sete homens e uma mulher, ao som do “Bolero”, de Ravel. Em 2014, o BTG foi presenteado com “Cinderela”, em comemoração aos seus 45 anos. A obra do coreógrafo espanhol Gustavo Ramirez Sansano foi criada com exclusividade para o Balé.

Em 2015, voltam à cena “Orikis” e “Trânsito”, da coreógrafa baiana Ana Vitória, e o consagrado “Romeu e Julieta”, com coreografia assinada por Luiz Fernando Bongiovanni e música de Prokofiev. Além de novas produções anuais, da manutenção de seu repertório e da difusão de espetáculos de qualidade, a companhia valoriza projetos de acessibilidade à dança e formação de plateia. É nesse sentido que o BTG contribui com o fortalecimento e perpetuação dos bens culturais paranaenses e nacional, estabelecendo dessa maneira um diálogo com a contemporaneidade, ao mesmo tempo em que preserva e valoriza a sua história.

Atualmente, a companhia apresenta um repertório focado na diversidade da dança contemporânea. Com a atual direção de Cintia Napoli (2012), o Balé Teatro Guaíra traz propostas que buscam autenticidade e ousadia, sem perder de vista a tradição.

ESPETÁCULO O SEGUNDO SOPRO

Data: 5 de julho
Horário: às 20h
Local: Teatro Municipal de Guarapuava
Endereço: Rua Padre Chagas, 3151 – Centro

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários