Médica guarapuavana compõe missão que vai a Moçambique

Julyanna Hyczy Kaminski embarca no dia 27 de setembro para ajudar crianças africanas

(Foto: Caio Budel/RSN)

A vontade de servir ao próximo despertou ainda na adolescência. Hoje, após se tornar médica anestesiologista, a guarapuavana Julyanna Hyczy Kaminski, viverá uma experiência única. No próximo dia 27 de setembro, ela se juntará a outros médicos e dentistas para uma missão na África, onde permanecerá por 12 dias na região de Dondo, uma cidade da província de Sofala, há mil quilômetros da capital de Moçambique, Maputo. A cidade, com 61 mil habitantes, é afetada pelo HIV, onde 50% das crianças perderam seus pais para a doença.

Província Sofala (Foto/Reprodução: Ariadne Van Zandbergen/iStock)

Morando em Guarapuava, mas trabalhando em Prudentópolis, desde cedo a insatisfação pelas desigualdades sociais despertaram em Julyanna a solidariedade, a vontade de fazer algo pelo próximo.

Há tempos , eu e meu marido, participamos de projetos sociais com doações financeiras, mas eu queria mais e comecei a pesquisas algumas ONGS e descobri a Missão África, sediada em Uberlândia, em Minas Gerais.

De acordo com Julyanna, a ONG brasileira investe em educação e na recuperação de crianças desnutridas. Desde 2013, já foram construídas quatros escolinhas comunitárias que atendem crianças de quatro e cinco anos, com educação pré-escolar e alimentação. São mais de 350 crianças assistidas pela ONG e mantidas por padrinhos do projeto.

“Quando descobri a ONG, me tornei madrinha do projeto, adotando uma criança, com R$ 25 por mês. Você pode escolher entre a educação ou a suplementação alimentar para salvá-las da desnutrição e acabei me inscrevendo para a missão e fui selecionada. Chorei muito ao receber a notícia que tinha sido escolhida e não vejo a hora de viver essa experiência, de ajudar as pessoas”.

EXPECTATIVA

Segundo a médica, a expectativa de pisar no solo do continente africano e conhecer as belezas naturais e, principalmente, as mazelas que geram a miséria, é “sair da zona de conforto para ajudar as pessoas que precisam muito da gente, que vivem numa miséria extrema. Vejo que somos pessoas privilegiadas e quero retribuir ajudando o próximo”.

De acordo com Julyanna, as despesas são custeadas por cada profissional que integra a missão. cada um é responsável por levar a medicação que irá utilizar.

Embora seja a médica guarapuavana que irá embarcar, ela leva na bagagem a solidariedade muitas pessoas que contribuíram fazendo doações que serão levadas a Moçambique.

“Quero expressar o meu agradecimento e minha gratidão a todos os que contribuíram para que essa responsabilidade social seja materializada”.

Relacionadas

CULTURA

Biblioteca Pública lança novas edições de projetos infantis

CULTURA

Oficinas virtuais do MON já alcançaram mais de 165 mil pessoas

CULTURA

Grupos de leitura ajudam a adquirir conhecimento na quarentena

Comentários