O talento de Juliana é atração desta quinta no Teatro Municipal de Guarapuava

O talento se apresentou já na infância, mas Juliana escolheu cursar agronomia. Porém, o teatro nunca saiu da sua mente e ela agora é atriz

Talento à prova (Foto: Arquivo Pessoal)

O talento da atriz guarapuavana Juliana Guiné vai preencher o palco do Teatro Municipal de Guarapuava na noite desta quinta (7), a partir das 20h. A entrada é de graça. O espetáculo faz parte do Festival de Teatro do Centro-Oeste (Feteco), da Unicentro.

Juliana integra o elenco da peça ‘Negro não nego’, do grupo Cena Hum, de Curitiba. O espetáculo, leva para o palco um compilado de textos de autores negros e outros escritos pelo próprio elenco. “É  um olhar sobre o que é humano, ancestral, cultural”. De acordo com o elenco, é um grito de resistência em meio ao caos, é o sangue do povo preto escorrendo nas favelas e vielas.

‘Negro não nego’ fala sobre a resiliência, sobre respeito, afeto, alteridade e cidadania. Assim, a cada apresentação há adaptações sobre fatos atuais, como o assassinato da vereadora Marielle Franco. O caso de Rodrigo que teve seu guarda-chuva confundido com um fuzil e Pedro Henrique, asfixiado por um segurança.

Em atuação (Foto: Arquivo Pessoal)

MERGULHO INTERIOR

De acordo com Juliana, a peça resulta do trabalho de conclusão de curso, do Cena Hum. Assim, a atriz se formou em outubro deste ano. Conforme Juliana, é também em reflexões provocadas pela peça que Juliana se aprofunda na sua negritude.

“Estou aprofundando o meu contato com a minha negritude. Como é ser negro pra mim, como me encontro nesse sagrado feminino negro? Como é isso para a minha família? Tenho feito muitas pesquisas e veio essa peça que misturou tudo isso”.

Negro não nego (Foto: Reprodução/Instagram)

Porém, para chegar à decisão de ‘mergulhar’ de corpo e alma na arte cênica, Juliana diz que passou por um processo de amadurecimento. “Desde pequena eu já dizia que seria atriz. Mas com o passar do tempo vieram outras prioridades, outras ideias”.

Entretanto, a menina de baixa estatura, mas de um talento que não possui dimensão, descobriu o amor pela dança tradicionalista. Mas a encenação ganhou espaço na poesia.

Cena da peça negro não nego (Foto: Reprodução/Instagram)

A ESCOLHA

Quando chegou a hora de escolher o curso universitário, Juliana optou por agronomia em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Porém, com o decorrer do tempo ela diz que uma inquietude tomou conta do seu interior. “Eu ficava só no quarto, só queria dormir, não queria ir à aula”.

Assim, o vazio precisava ser preenchido pela arte. “Após conversa com minha mãe, com minha família, veio a decisão de deixar o curso”. De acordo com Juliana, após pesquisas a escolha foi pela Cena Hum, em Curitiba, onde se formou.

“É uma escola maravilhosa onde vivo uma experiência única. É um mundo maravilhoso de muita poesia, de muita pesquisa, de muito estudo. Além de muito discernimento, muita desconstrução social interna e externa, muito humano”.

Entretanto, como em todo lugar, há o que Juliana chama de ‘facetas sombrias’. Assim, ela se refere a egos, competições. “É preciso muita cancha para passar por essas coisas que vivi e que estou vivendo. Mas estou aprendendo a conviver com isso tudo. É um processo de amadurecimento e sou muito grata a tudo”.

DESCRIÇÃO DE ‘NEGRO NÃO NEGO’

Resistência, humanidade, força, poder entre outras questões do negro na sociedade, do passado e do presente. Assim, a abordagem se dá com palavras, canto, dança e desenhos de corpos.

FICHA TÉCNICA

Negro Não Nego
Direção: Glayson Cintra
Companhia: Everson Silva, Juliana Guiné, Jéssica Santos, Loara Gonçalves, Luan Maciel, Matheus Moura, Silvester Neto, Vitor Hugo Amaral

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários