Alcides Ragazzi deixa legado histórico em Guarapuava

Alcides Ragazzi, ou padre Egídio, morreu no sábado (5), no Interior de São Paulo. Ele foi um dos criadores da FAFIG, entre outros feitos

Alcides Ragazzi deixa legado histórico em Guarapuava (Foto: Reprodução/Facebook)

Faleceu em Piracicaba, interior de São Paulo, um dos pilares da criação da Faculdade de Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Guarapuava (Fafig), Alcides Ragassi. O Padre Egídio, como era conhecido, lutava contra um câncer. Conforme a esposa Yole Cabral, ele morreu no sábado (5).
De acordo com relato feito ao historiador Murilo Walter Teixeira, Ragassi chegou em Guarapuava em 1962. E tinha a missão de fundar o Seminário Menor no bairro Santa Cruz. Porém, antes deveria criar a Paróquia Santa Cruz.
“Uma vez criada a paróquia Santa Cruz concentrei os meus esforços para a fundação do seminário Santa Cruz, da capela de São José na Lutcher e da Igreja de São Pedro, no Segredo”.
Esse  relato foi feito por Ragazzi ao historiador Murilo Walter Teixeira. Conforme a história, após criar a paróquia, o então padre Egídio passou a ser o pároco. Assim, passou a dar assistência a 27 capelas, incluindo Inácio Martins. Porém, para atender a pobreza de famílias que moravam no bairro Santa Cruz, ele conseguiu a construção da escola primária Santa Cruz e do ginásio de esportes.
Conforme a história do padre Egídio, nessa mesma ocasião ele conseguiu autorização para construir 50 cassas populares. O recurso veio da Alemanha. “Outro acontecimento sensacional foi quando o provincial Quiliano autorizou os trabalhos para a criação da Fafig. O Padre Francisco Contini e eu, nos dedicamos à elaboração do processo para a criação. Isso foi em 1969, se não me falha a memória”, escreveu num relato ao historiador.

OUTRAS AÇÕES

Durante a sua trajetória em Guarapuava, ele foi também secretário municipal de Promoção Social. “Foi quando construímos o SOS para os velhinhos. Além de 70 casas em madeira no bairro Morro Alto, fazendo divisa com propriedade do senhor Cupertino”.
Além disso, também adquiriu duas áreas para a Diocese. Uma das áreas compradas está o edifício Nossa Senhora de Belém, no Centro da cidade. Outra é no bairro Santana onde está a torre da Central Cultura de Comunicação. De acordo com Mime Vitorassi, amiga de Ragazzi, ele teve papel fundamental na idealização do Lar Escola Retiro Feliz. Essa ação teve a parceria da esposa do então dono da Madeirit, Rubens de Mello. “Foi lá pelos anos 60 e 70”.
Porém, em 1970, o então sacerdote pediu dispensa de votos à Santa Sé. E em 30 de maio de 1971 casou com Yole Maria Cabral, com quem teve um casal de filhos: Alexandre e Juliana.
Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

INDIGNAÇÃO

Em Candói, manifestantes pedem prisão para agressores de animais

LEI ALDIR BLANC

Setor cultural pede socorro para não perder recurso emergencial

PROGRAME-SE

'Trenzinho da Luz' oferece passeio gratuito pela 'Cidade dos Lagos'

Comentários